Partidos começam a estabelecer chapas para eleição no Paraná

   Imagem: Reprodução/ Agência Brasil e Agência Senado 

Os partidos começam a definir as chapas para a disputa no Estado. Faltam aproximadamente 80 dias para o primeiro turno das eleições no Paraná.  O PT  oficializou a pré-candidatura do ex-governador Roberto Requião ao Palácio Iguaçu, e a indicação do ex-presidente da Assembleia Legislativa, Hermas Brandão, como pré-candidato a vice. O ex-juiz e pré-candidato ao Senado, Sergio Moro, mantém negociações com o pré-candidato ao governo do PSDB, ex-prefeito de Guarapuava, César Silvestri Filho. O senador e pré-candidato à reeleição, Alvaro Dias (Podemos), está iminente de um acordo com o governador e também pré-candidato à reeleição, governador Ratinho Júnior (PSD) e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

As candidaturas e alianças pela legislação eleitoral  devem ser formalizadas nas convenções partidárias.  No Estado, o PT formou uma federação com o PC do B e o PV, que pretende lançar 25 candidatos à Câmara Federal, e 43 à Assembleia. Da chapa majoritária, falta ainda a indicação do grupo ao Senado. O PT tentou atrair o deputado federal e ex-prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), mas ele descartou essa possibilidade, diante do histórico de desavenças políticas com Requião, e da rejeição que a legenda petista tem no Estado. Entre os cotados para a vaga estão o presidente estadual do PC do B, Elton Barz. O PDT de Fruet tende a sair com chapa pura, com o ex-deputado federal Nelton Friedrich como candidato ao governo, e o ex-deputado Ricardo Gomyde para o Senado.

Do lado da situação, Ratinho Júnior (PSD), segue sem definição sobre quem serão seus companheiros de chapa. O atual vice-governador, Darci Piana (PSD), pode seguir na vaga. A disputa maior é pela candidatura ao Senado da chapa governista.

Nos últimos dias, circula a informação de que Ratinho Jr teria fechado um acordo para a apoiar a reeleição de Alvaro Dias. A articulação teria sido feita pelo senador Flávio Bolsonaro (PL/RJ), como forma de neutralizar a pré-candidatura de Sergio Moro ao cargo. Por essa negociação, em troca, o Podemos apoiaria a reeleição de Ratinho Jr no Estado e a do presidente Bolsonaro. Com isso, ficaria prejudicada a pré-candidatura do deputado federal Paulo Eduardo Martins (PL), lançada com o apoio do presidente. E também a pré-candidatura do deputado estadual e ex-chefe da Casa Civil de Ratinho Jr, Guto Silva (PP). E o Podemos também descartaria a pré-candidatura do senador Flávio Arns ao governo.

Moro se reuniu na semana passada com César Silvestri para conversar sobre uma possível aliança. Ao mesmo tempo, o ex-juiz diz manter “boas relações” com Ratinho Jr. Moro alegou ser “cedo” para definir a posição no partido na disputa pelo governo do Estado.

*Informações Bem Paraná