Governo dispensa o número 2 da PRF após caso da ‘câmara de gás’ em Sergipe

A relação entre a dispensa dos diretores Jean Coelho (executivo) e Allan da Mota Rebello (inteligência) e a morte de Genivaldo não foi esclarecida pelo governo. Foto: Agência Brasil

Por Isabela Moya
São Paulo, 31 (AE) – O diretor executivo da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Jean Coelho, foi dispensado das suas funções nesta terça-feira, 31, conforme publicação no Diário Oficial da União (DOU), assinada pelo Ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira. Também foi dispensado o diretor de inteligência, Allan da Mota Rebello.

A dispensa ocorre uma semana depois da morte de Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, vir à tona. O homem foi amarrado e posto no porta-malas de uma viatura da corporação, que foi transformada por agentes em uma “câmara de gás”, em uma alegada tentativa de contê-lo durante uma abordagem de trânsito. A vítima morreu. Imagens do ocorrido foram divulgadas em redes sociais e causaram comoção.

A relação entre a dispensa dos diretores e esse caso não foi esclarecida pelo governo.

Nessa segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro lamentou a morte e afirmou que seria feita justiça.

Em nota, a PRF havia informado que, durante a abordagem da equipe, Genivaldo reagiu de forma agressiva e precisou ser contido com técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo. O órgão disse ainda que abriu procedimento disciplinar para averiguar a conduta dos policiais envolvidos, que foram afastados.

Além da apuração aberta na esfera criminal, para acompanhar as investigações sobre a responsabilidade dos policiais pela morte de Genivaldo, a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão abriu uma apuração no âmbito cível sobre “violações aos direitos dos cidadãos e, em especial, aos direitos das pessoas com deficiência”. Segundo a família de Genivaldo, o homem sofria de esquizofrenia e fazia uso de medicamentos há 20 anos.

Estadão Conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.