Sem previsão de chuva, governo decreta situação de emergência em todo o Paraná

6 de agosto de 2021
Reservatórios estão muito abaixo da média no Paraná/ Foto - Andre Thiago/Sanepar

A previsão do Simepar para Maringá e região é de tempo seco para pelo menos os próximos 15 dias. E essa escassez de chuva se reflete em todas as regiões do Paraná. Condição que forçou o governo do Estado, a decretar situação de emergência. O decreto que era válido apenas para a Região Metropolitana de Curitiba e o sudoeste, agora é estadual.

O documento assinado ontem, 5, pelo governador Ratinho Júnior tem validade de 90 dias. Segundo o governo, o objetivo é minimizar os impactos da falta de chuvas e garantir as condições mínimas de abastecimento da população.

O documento autoriza as empresas de saneamento a adotarem medidas que garantam o abastecimento público – como os rodízios de água, por exemplo – priorizando o uso dos recursos hídricos para esse fim. Com isso, o Instituto Água e Terra (IAT) poderá restringir a vazão outorgada para outras atividades, com o objetivo de normalizar as captações.

As medidas levam em conta as previsões meteorológicas e têm respaldo, também, na Resolução número 77 da Agência Nacional de Águas (ANA), que declarou situação crítica de escassez quantitativa dos recursos hídricos na Região Hidrográfica do Paraná até novembro de 2021.

O Simepar aponta para precipitações abaixo da média do restante do inverno até a primavera, agravando uma situação que já perdura há mais de dois anos. Também há possibilidade de ressurgência do fenômeno La Niña entre os meses de novembro e janeiro. Causado pelo resfriamento das águas do Oceano Pacífico, a La Niña está associada a chuvas irregulares e abaixo da média no Sul do Brasil.

Segundo o Simepar, três em cada quatro mananciais usados para a captação de água no Paraná estão com os índices abaixo do normal, sendo que 31,75% deles se encontram em situação de estiagem.