Imagina minha filha!! Ser mãe depois dos trinta?! Não, não. Toma cuidado ein, vai acabar ficando pra titia.

Quantas vezes já ouvimos isso por aí?! Tenho certeza que a maioria das pessoas, já se deparou com esse tipo de situação. Mas a realidade é que o mundo mudou em tudo, inclusive no tempo dos relacionamentos e ciclos da vida. Ser mãe depois dos 30 é cada dia mais comum e tem uma boa notícia: tá tudo bem com isso!! Tem como realizar o sonho de ser mãe, mesmo depois dos 30, tranquilamente.

No quadro #nosofácomcris do meu canal do Youtube, eu tive uma conversa super especial com minha amiga e consultora de moda, Jéssica Richini. Ela engravidou aos 33 anos, de forma natural e sem pressão. Vem conferir a história dela.

E se você também planeja uma gravidez após os 30 anos ou está na mesma situação que a Jessica, vale lembrar que os cuidados com a saúde são essenciais antes, durante e após a maternidade.

A doutora Mirelle Ruivo, ginecologista e obstetra, me explicou que as mulheres possuem um limite no número de óvulos que produzem ao longo da vida. Dessa maneira, esse número vai diminuindo progressivamente, ou seja, “Quanto maior a idade materna, menor a qualidade dos óvulos. Além disso, os riscos em relação à saúde da mulher aumentam muito. É preciso ficar atenta à hipertensão, diabetes e outras doenças atreladas à idade materna”, falou a doutora.

Se você tem o sonho de engravidar, mas ainda não conseguiu por meio dos métodos naturais, de acordo com a doutora Mirelle, existem muitos tipos de tratamento para a fertilidade. “Induções de ovulação, coito programado, inseminação artificial e até mesmo a fertilização, que evoluiu muito e pode tornar o sonho da maternidade real a muitos casais”, disse ela.

Tipos de parto

Fonte: Pinterest

Sabia que no Brasil, a maioria das crianças nascem por meio da cesariana? Mas está muito em alta a discussão sobre outros tipos de parto, inclusive já existem várias mulheres, que se preparam desde o início da gestação, para ter parto normal. Então aproveitei o tema, pra fazer um resuminho da diferença entre eles.

Parto normal: conhecido como parto vaginal, a cabeça do bebê precisa estar posicionada na pelve. Para facilitar a saída do bebê, podem ser utilizadas, em alguns casos, analgesia e indução das contrações com soro contendo ocitocina. Lembrando, que a saúde da mãe e do bebê vem sempre em primeiro lugar. É super benéfico. Além do contato com a mãe nos primeiros momentos de vida, existem menos chances de doenças respiratórias.

Cesárea: feita por via transabdominal, ou seja, com a incisão do abdômen da mãe em várias camadas até encontrar o bebê dentro do útero e retirá-lo por esta incisão. É indicada em casos de risco, como por exemplo, o descolamento da placenta ou quando o bebê está em posição de transversal.

Parto Humanizado: Neste método, que tem crescido muito, o atendimento é centralizado na mulher, respeitando suas vontades e desejos. Por isso, é chamado de humanizado. A gestante escolhe o local e quem irá acompanhá-la. Normalmente é realizado em casa ou no hospital, com o apoio de doulas, médicos e enfermeiros.

E aí, pessoal, gostaram? Post de hoje com muita informação não é mesmo? Espero que tenham aproveitado. Me acompanhem no meu Instagram @crispizan .

Beijos e até semana que vem!