Motorista de ônibus atingido por trem é indiciado por homicídio culposo e lesão corporal

Acidente em Jandaia do Sul
Compartilhar

O motorista do ônibus da Apae (Associação de Pais e Amigos de Expepcionais) de Jandaia do Sul, que se envolveu em um acidente com um trem, foi indiciado por homicídio culposo e lesão corporal culposa – ou seja, quando os crimes são praticados sem intenção.

O acidente aconteceu no dia 9 de março deste ano. O motorista cruzou a linha férrea, o que levou à colisão com o trem.

No momento do acidente, havia 29 pessoas no ônibus, sendo 25 crianças, três monitores e o motorista. Cinco pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas.

Entre as vítimas fatais, duas estudantes morreram no local – as primas Maria Vitória Gomes Ferreira, de 11 anos, e Kimberly Caroline Ribeiro Pimenta, de 15. Um dia depois do acidente, a cozinheira Isabel Aparecida Gimenes Figueiredo, de 55 anos morreu no hospital.

Outra estudante, identificada como Maria de Lourdes Henrique, de 56 anos, sobreviveu ao acidente e recebeu alta hospitalar, mas morreu alguns dias depois.

No dia 22 de março, João Lucas dos Santos Silva, de oito anos, veio à óbito no hospital.

O QUE DIZ O MOTORISTA

Em depoimento na delegacia, o condutor alegou não ter visto e nem ouvido o trem se aproximando. Na época, ele foi liberado pelo delegado por ter prestado socorro às vítimas.

Em nota, a Rumo Logística, empresa concessionária da linha férrea, desmentiu a versão do motorista do ônibus, afirmando que “o maquinista acionou a buzina para alertar sobre a travessia do trem”.

A Prefeitura de Jandaia do Sul informou que afastou o motorista, que é alvo de um processo administrativo interno.

O suspeito deve responder em liberdade.

Foto: Assessoria da Prefeitura de Jandaia do Sul


Compartilhar