Peça teatral resgata memórias de infância e busca valorizar a arte drag maringaense

O Coletivo Transformista Haus of X estreia no próximo sábado (02/07) o espetáculo teatral “Más Monas”. As sessões acontecem nos dias 2, 3, 9, 10, 30 e 31 de julho, sempre às 20h, no Teatro Barracão, com entrada gratuita, classificação livre e interpretação em Libras em todas as sessões.

Com direção e dramaturgia de Lua Lamberti, a peça se utiliza da autoficção para trazer um conjunto de narrativas e memórias de infância da família transformista Haus of X, trazendo para a cena as drags Galathea X, Ramonita X e Ursula Xcar em uma estética cabaré, com música, dança e acrobacia. O projeto será a estreia de Areta, Drag Queen do intérprete Renan Parma, que compõe o elenco integrando a Libras à cena.

O objetivo é mostrar outras facetas das infâncias dissidentes, mais lúdicas e positivas, usando de tom poético para uma espécie de “acerto de contas” com o passado e a construção de um futuro em que outras crianças não precisem passar pelos mesmos traumas que as artistas revelam ter passado. No entanto, para além da temática atual e necessária, Lua acredita que o espetáculo também se destaca por outros pontos relevantes.

Nosso projeto é importante para trazer dignidade à linguagem transformista, que não compõe o panteão das artes hegemônicas, das belas artes e que em muitos espaços nem sequer é entendida como arte, muita gente nem sabe o que é. Também é importante pela linguagem que escolhemos, que é o cabaré, o show de variedades, que é culturalmente muito marginalizada e é muito recente em Maringá”, explica. Essa escolha ocorre devido à importância subversiva desta estética, uma vez que eram nesses espaços que todas as “aberrações sociais” poderiam existir, como as vedetes burlescas, as transformistas e todo o grupo social que não era bem vindo aos grandes salões e palcos clássicos.

Lua é a matriarca do coletivo transformista que existe na cidade desde 2016 e que tem como premissa, justamente, valorizar o transformismo como uma linguagem independente e autônoma, não apenas como uma ferramenta ou técnica de atuação. Por ser a precursora deste movimento que hoje já tem diversas “filhas”, naturalmente foi escolhida como diretora desta montagem.

Ela explica que o trabalho de direção começou a partir de “disparadores criativos”. O primeiro passo foi coletar histórias de toda a equipe envolvida no projeto. Todos escreveram cartas para as crianças que foram no passado. Daí surgiram muitas histórias, depois costuradas umas às outras, de modo que conversassem com as músicas escolhidas por cada artista em cena.

Durante o processo de montagem da peça foram trazidas três oficinas de drags reconhecidas em nível nacional, a Drag Queen Ginger Moon e o Drag King Don Valentim, que vieram de São Paulo para compartilhar técnicas fundamentais pra quem vivencia o campo artístico do transformismo, como perucaria, padding (enchimento) e maquiagem. Esses ensinamentos enriqueceram o espetáculo, viabilizado por meio do Prêmio Aniceto Matti.

Mais informações: https://www.instagram.com/xquisitas/

Serviço:

Más Monas

Dias 02,03,09,10,30 e 31 de julho, sempre às 20h

Teatro Barracão

Entrada Gratuita – com interpretação em Libras

Classificação Livre

Ficha técnica:

Direção e Dramaturgia: Lua Lamberti

Elenco: Galathea X, Ramonita X e Ursula Xcar

Coreografias e direção de movimento: Leonardo Fabiano

Interpretação em Libras: Areta

Produção: Leonardo Fabiano e Elle Carol

Iluminação: Victor Lovato

Sonoplastia: Leminski X

Figurino: Vitória Campanari

Assessoria de imprensa: 2 Coelhos Comunicação e Cultura

Fotos e vídeos: Quebra Galhos Comunicação

Identidade Visual: Zari