Entidade de Maringá que acolhe pessoas em tratamento do câncer pede ajuda

O câncer é o principal problema de saúde pública no mundo e já está entre as quatro principais causas de morte prematura (antes dos 70 anos) aqui no Brasil, conforme dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) – e nossa região não foge à regra. Infelizmente é cada vez maior o número de pessoas que procura atendimento nas unidades hospitalares especializadas. A grade maioria dessas pessoas é atendida pela rede pública de saúde, muitas delas inclusive moradoras de cidades menores, não têm condições de comer ou pagar um hotel durante as viagens de tratamento. Mas elas não estão sozinhas. São atendidas pela Entidade Ecumênica de Amor ao próximo que, somente neste ano, já beneficiou 18.642 homens e mulheres.

Uma das atendidas foi a vendedora Cristiane Alves, 48 anos. A moradora de Marialva, que é casada e mãe de dois filhos (9 e 11 anos), descobriu, em 2019, um câncer de mama. “Me senti perdida, porque você não está preparada para isso. Eu com 2 filhos, sendo o caçula com apenas sete anos, sofri ainda mais. Ainda bem que tive muito apoio da família e das pessoas mais próximas e isso me ajudou bastante”, disse ela, após dois anos de tratamento, várias quimioterapias e radioterapias, além de uma cirurgia bastante complexa para a retirada de uma das mamas e mais de 30 micronódulos nas axilas.

Ela relatou ainda que passou por momentos de dificuldades, uma vez que ficou quase um ano sem receber o auxílio do INSS; apenas o marido estava trabalhando. “Foi aí que conheci a Entidade Ecumênica Amor ao Próximo. Eles me acolheram nesse período difícil fornecendo uma cesta básica, além das refeições. Durante o período de tratamento no Hospital do Câncer foi ali que encontrei café da manhã, almoço, jantar, sem contar a ajuda psicológica dos voluntários que ali participam. Foi uma benção de Deus”, frisou Cristiane.
Realmente um trabalho voluntário de amor e dedicação sem esperar nada em troca. Além das refeições (café da manhã, almoço e jantar) e pernoite para os pacientes e acompanhantes, a entidade realiza a distribuição de benefícios emergenciais como cesta básica, soutien com prótese, leite, suplementos, perucas, atendimento com assistente social e psicóloga. “Há exatos seis anos descobri um câncer no pâncreas e a casa de apoio foi minha salvação. Eles sempre me ajudaram com cesta básica, atendimento e apoio psicológico, pouso, refeições. Se não tivesse esse local aí em Maringá muitas pessoas passariam fome”, revelou a moradora de Paranavaí, Alessandra Melo, de 39 anos – viúva e mãe de um filho de 14 anos.

Trabalho iniciou em 2007

A casa de apoio iniciou as atividades em 2007, com entregas de lanches para o café da manhã nos locais onde os pacientes eram atendidos com consultas, exames e quimioterapia, dentre outros procedimentos correlacionados. Com o tempo, esse atendimento ganhou um número expressivo de voluntários e, em 2017, foi possível a construção e inauguração da “Casa de Apoio”, com o objetivo de oferecer serviço de acolhimento institucional, prezando atendimento humanizado aos pacientes e acompanhantes que vinham até o município para o tratamento de câncer. Dessa forma, promovendo bem-estar e melhoria na qualidade de vida durante o tratamento de saúde, com apoio e orientação dos profissionais de diversas áreas.

Atualmente, com a equipe estruturada é possível atender pessoas vindas de 70 municípios da região. “Nossa entidade vive de doações da comunidade, empresários e também da realização de uma ação anual entre amigos com o sorteio de cinco prêmios, dentre eles um carro zero km. Conclamo a ajuda de todos para que possamos continuar e ampliar esse trabalho. O sorteio desta ação ocorre no dia 27 de novembro”, convidou a presidente da entidade, Nadir José Menengoti Gonçalves Ribeiro.

Câncer está entre as principais doenças

A estimativa para cada ano do triênio 2020-2022 aponta que ocorrerão 625 mil casos novos de câncer. O câncer de pele não melanoma será o mais incidente (177 mil), seguido pelos cânceres de mama e próstata (66 mil cada), cólon e reto (41 mil), pulmão (30 mil) e estômago (21 mil).
Os tipos de câncer mais frequentes em homens, à exceção do câncer de pele não melanoma, serão próstata (29,2%), cólon e reto (9,1%), pulmão (7,9%), estômago (5,9%) e cavidade oral (5,0%). Nas mulheres, exceto o câncer de pele não melanoma, os cânceres de mama (29,7%), cólon e reto (9,2%), colo do útero (7,5%), pulmão (5,6%) e tireoide (5,4%) figurarão entre os principais. O câncer de pele não melanoma representará 27,1% de todos os casos de câncer em homens e 29,5% em mulheres.
A distribuição da incidência por região geográfica mostra que no Sudeste concentra mais de 60% dos casos, seguido pelas regiões Nordeste (27,8%) e Sul (23,4%).

Serviço – Para contribuir acesse www.entidadedeamoraoproximo.com ou ligue para o fone (44) 3266-3503. A instituição está localizada na Rua dos Gerânios, número 300 – Parque Residencial Rio Branco – Maringá (PR).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *