Cooperativismo paranaense apresenta potencial do Paraná na Expo Dubai

13 de outubro de 2021
cooperativismo
A exposição de Dubai é o ambiente de negócios que reúne negociadores de todo o mundo Foto: Divulgação

Empresários locais demonstraram interesse na aquisição de produtos do cooperativismo, como açúcar, carne de frango, carne bovina, leite em pó e rações animais, produtos 

 

A convite da Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), da qual é diretor, o presidente do Conselho de Administração da Cocamar, Luiz Lourenço, está representando o Sistema Ocepar na Expo Dubai 2021, a primeira exposição mundial realizada no Oriente Médio. Ele está em companhia do coordenador de desenvolvimento técnico da Ocepar, Silvio Krinski, e de representantes da Agrária, C.Vale, Frísia, Integrada e Coopavel.

 

Potenciais do Paraná 

Eles fazem parte da missão liderada pelo governador Ratinho Júnior (PSD) e que conta com a participação de lideranças políticas e empresariais de vários segmentos com o intuito e apresentar as potencialidades de negócios do Paraná.

Em evento promovido nos últimos dias, sobre agronegócio, dentro do espaço patrocinado pelo Paraná, o resultado foi considerado bastante positivo pelos participantes, na visão do representante do cooperativismo, Luiz Lourenço.

Empresários locais demonstraram interesse na aquisição de açúcar, carne de frango, carne bovina, leite em pó e rações animais. “É uma região que precisa desses alimentos e, em troca, tem a oferecer fertilizantes, em especial fósforo, potássio e ureia, entre outros itens”, explicou.

 

Logística cara

O dirigente comentou que Dubai e o entorno, propriamente, não demandam grandes volumes de importação, mas por ser uma cidade estratégica, com estrutura portuária voltada ao atendimento regional, é interessante para os exportadores brasileiros.

cooperativismo
O presidente do Conselho de Administração da Cocamar, Luiz Lourenço, representa as cooperativas paranaenses na comitiva do Paraná em Dubai Foto: Divulgação

Uma reclamação ouvida na feira é quanto ao alto custo da logística. De acordo com Lourenço, com a retomada das atividades após a queda dos números da Covid-19 no mundo, os custos ficaram muito elevados e um objetivo dos compradores locais é compartilhá-los com exportadores brasileiros.

“De qualquer forma, a dificuldade de acertar preços, hoje, esbarra nesse óbice, a logística realmente não está fácil, além de ser muito lenta. É, no momento, uma dificuldade, mas que com o tempo tende a desaparecer”, destacou.

 

Maior evento do Oriente espera 25 milhões de visitantes

Adiada no ano passado por causa da crise sanitária, a exposição foi aberta ao público no dia 1º/10, em meio ao deserto nos arredores de Dubai, dos Emirados Árabes Unidos (EAU), apresentando obras arquitetônicas e inovações tecnológicas dos mais de 190 países representados em seus pavilhões.

No ano que antecede a Copa do Mundo de futebol, que será promovida no vizinho Catar, a Expo promete ser o maior evento já visto no Oriente Médio.

Em 181 dias de realização, a Expo Dubai espera receber 25 milhões de visitantes. Ao contrário do Japão que proibiu a presença de público nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a cidade abre suas portas aos turistas estrangeiros, com a condição de que usem máscara e respeitem o distanciamento social. Todos os visitantes deverão estar vacinados ou, caso não estejam, devem apresentar um teste PCR negativo muito recente (Rogério Recco)