Lago do Parque do Ingá, que já foi cartão postal da cidade, está desaparecendo

22 de setembro de 2021
salvar o lago do parque do ingá
O que já foi um dos lagos mais famosos e bonitos do Paraná, caminha para se transformar em uma poça Foto: Luiz de Carvalho

O lago mais famoso de Maringá, que por meio século foi um dos principais cartões postais da cidade, hoje tem metade da extensão que já teve no passado e pode deixar de existir se não forem tomadas medidas o quanto antes. Mas, de uma coisa se tem certeza: o lago do Parque do Ingá jamais voltará a se encher com água das muitas nascentes que existiam no parque e davam origem ao Ribeirão Moscados pelo simples fato que as minas não existem mais.

Lago do Parque do Ingá
Assim era o lago do Parque do Ingá até alguns anos atrás Foto: Divulgação

A situação do lago do Parque do Ingá foi assunto na última sessão da Câmara Municipal e possivelmente vai merecer um amplo debate nas próximas semanas e meses. “Precisamos juntar forças, nós vereadores, o Executivo, a sociedade toda para acharmos uma solução e fazer alguma coisa, pois, do jeito que está indo, vamos ficar sem o lago”, disse o presidente da Câmara, vereador Mário Hossokawa (PP).

Nos últimos dias, muito se culpou a crise hídrica que atingiu o Paraná durante todo o Inverno deste ano, mas a realidade é que o lago do Parque do Ingá está secando há anos. Há no mínimo 15 anos, mas a situação se acelerou nos últimos dois ou três anos e mais ainda na estiagem deste ano.

Já se culpou o excesso de calçamento na região da cidade em que está o Parque do Ingá, que impede a infiltração das águas de chuva, já se culpou os cerca de 2 mil poços artesianos clandestinos que existem naquela região, mas o fato é que nada foi feito para salvar o lago, nem o parque, porque quando o lago deixar de existir fatalmente a vegetação restante da Mata Atlântica também tende a desparecer. Aliás, a cobertura florestal nem de longe pode ser comparada à que existia nos primeiros anos do parque.

Lago do Parque do Ingá
O Jardim Imperial Japonês em todo seu explendor, em foto de Tabajara Marques

 

Lago do Parque do Ingá
O que sobrou do jardim japonês inaugurado por um príncipe e uma princesa Foto: Luiz de Carvalho

Toda a parte norte do lago, cerca de metade de toda a área, desapareceu e foi ocupado por vegetação arbustiva, a Ilha dos Macacos, que ficava dentro do lago e era uma das atrações do parque, hoje é apenas um matagal a cerca de 100 metros de onde está a lâmina d’água, que se afasta mais a cada dia.

Além do lago principal, também os pequenos lagos que um dia fizeram a beleza do Parque do Ingá, como o do Jardim Imperial, inaugurado pelo príncipe Akihito e a princesa Michiko em 1978, pouco antes de o prícipe subir ao Trono do Crisântemo como imperador do Japão, desapareceu, assim como lago das carpas, a primeira gruta de Nossa Senhora Aparecida – que teve que ser mudada por falta de água -, e a segunda gruta da santa.

Lago do Parque do Ingá
A Gruta da Santa há três anos Foto: Divulgação
Lago do Parque do Ingá
E hoje Foto: Luiz de Carvalho