Com qualificação de bases operacionais, Samu pode receber R$ 3 milhões a mais

13 de setembro de 2021
qualificação de bases
O atendimento aéreo é um dos trunfos do Samu do Paraná Foto: Divulgação

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) – Regional Norte Novo, com sede em Maringá, trabalha para a qualificação de bases operacionais e se credenciar para ampliar, em R$ 3 milhões por ano, a fatia dos recursos destinada ao custeio. Na quinta e sexta-feira da semana passada, técnicos do Ministério da Saúde estiveram em Maringá para avaliar a estrutura existente e orientar para as possíveis mudanças necessárias para atingir os critérios exigidos pelo MS.

Na chegada, ao desembarcarem no Aeroporto de Maringá, Rafael Agostinho, coordenador-geral de Urgências; e Thiago Rodrigues Santos, coordenador-geral de Planejamento e Orçamento do Ministério, passaram pelo hangar, onde fica a unidade do Aero Médico Macrorregional. Depois, foram conhecer a integração do Samu e do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate), 192 e 193, localizada no quartel do 5º Grupamento do Corpo de Bombeiros. Outros pontos visitados, foram as bases do Samu.

O presidente do Consórcio Público Intermunicipal de Gestão da Associação dos Municípios do Setentrião Paranaense (Pró-Amusep), prefeito de Doutor Camargo, Édilen Henrique Xavier, o Mineiro, destaca que a presença dos técnicos do MS, em Maringá, é um passo fundamental para o Samu Norte Novo estar apto a receber uma parcela maior de recursos. O Pró é responsável por administrar o Serviço Regional.

Para o presidente da Amusep, prefeito de Ângulo, Rogério Aparecido Bernardo, que acompanhou a visita, é importante o Samu estar qualificado para, além de ampliar o volume do repasse, melhorar, ainda mais, o serviço prestado para a comunidade. Para ele, a qualificação de bases é essencial para o oferecimento de um trabalho cada vez melhor.