Enfermeiros de Maringá vão às ruas cobrar melhores condições de trabalho

Enfermeiros fazem reivindicações

13 de maio de 2021
Enfermeiros de Maringá
O ato aconteceu nas proximidades do Hospital Universitário de Maringá Foto: Valdete da Graça

Enfermeiros, auxiliares de enfermagem, técnicos de enfermagem, auxiliares de parto e outros profissionais da saúde participaram na manhã desta quinta-feira, nas proximidades do Hospital Universitário de Maringá, de um ato público para marcar o Dia Internacional do Profissional de Enfermagem, transcorrido na quarta-feira. Os enfermeiros de Maringá divulgaram as reivindicações da categoria.

O ato foi organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar) para tornar públicas as reivindicações da categoria, como a votação do PL 2564/2020, que objetiva instituir o piso salarial nacional do Enfermeiro, do Técnico de Enfermagem, do Auxiliar de Enfermagem e da Parteira.

Vítimas da covid-19

Os enfermeiros de Maringá, assim como os que participaram de manifestações em outras cidades brasileiras, disseram que o ato foi também em solidariedade às pessoas mortas pela covid-19, em especial os profissionais de saúde.

Essencial no combate à pandemia, a categoria sofre com a falta de garantias trabalhistas e até de materiais de trabalho. Em muitos lugares faltam até equipamentos individuais, os chamados EPIs.

De acordo com levantamento do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), de cada três profissionais de saúde mortos pela covid-19 no mundo, um é do Brasil.

Piso salarial

O Projeto de Lei 2564/2020, que estabelece o Piso Salarial para a profissão, aguarda votação no Senado, após parecer favorável da senadora Zenaide Maia (Pros-RN). O PL de senador Fabiano Contarato estabelece um piso R$ 7.315,00 para enfermeiros, correspondendo a uma jornada de 30 horas semanais. Para os técnicos e auxiliares de Enfermagem o piso seria, respectivamente, de 70% (R$ 5.120,50) e 50% deste valor (R$ 3.657,50).

Dados da pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil apontam enormes lacunas na gestão do trabalho da Enfermagem, que vem enfrentando, nas últimas décadas formação desordenada em cursos de menor qualidade, contribuindo para achatamento salarial e desemprego e pode afetar a qualidade da assistência.

O Sistema Cofen/Conselhos Regionais vem se reunindo com senadores e protocolou ofício ao presidente do Senado pedindo apoio à pauta. Neste 12 de maio, Dia do Enfermeiro, gigantescos banners fixados em frente ao Congresso Nacional manifestavam apoio ao PL, como parte da campanha de valorização profissional promovida pelo Cofen.