Petrobras reajusta o gás de cozinha em 6% nas refinarias nesta quinta-feira (7/1)

Por: - 7 de janeiro de 2021
Preço do glp tem nova alta autorizada pela Petrobrás. Já são quase 30% em um ano / Reprodução

A Petrobrás reajustou em 6% o preço do GLP em suas refinarias a partir desta quinta (7/1). Foi o primeiro reajuste de 2021 e o décimo desde maio de 2020. Segundo a própria companhia informou, o gás de cozinha subiu 21,9% no ano passado, mesmo com a pandemia.

Não é coincidência, portanto, que, de acordo com dados preliminares do Ministério de Minas e Energia (MME), as vendas de gás de cozinha caíram 20% em 2020, na comparação com 2019.

“Com o reajuste desta quinta-feira, em várias cidades no país o botijão de gás de cozinha de 13 quilos vai se aproximar dos R$ 100. É um terço do auxílio emergencial, o que já seria absurdo. Imagine a situação com o fim do auxílio neste mês, e sem qualquer sinal de um novo apoio financeiro por parte do governo Bolsonaro, que continua sem se importar com a população brasileira”, afirma o coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar.

Na avaliação da FUP, o novo reajuste do GLP, de 6%, promovido pela Petrobrás vai penalizar ainda mais as pessoas de renda mais baixa, sobretudo com o fim do auxílio emergencial e a ausência de uma política governamental que garanta renda.

“Num momento dificílimo como o atual, com a pandemia fora de controle, o desemprego e a desocupação dos trabalhadores em níveis recorde e a disparada dos preços dos alimentos, a Petrobrás ainda reajusta seus combustíveis olhando para o exterior. A empresa esquece de seu papel social, ainda mais sendo controlada pelo governo E a situação é ainda pior com o gás de cozinha, usado pela população mais pobre. O resultado é que essas pessoas estão trocando o gás por lenha, porque não têm como pagar pelo produto. E esse quadro vai se agravar com o fim do auxílio emergencial”, avalia Bacelar.

Em seu calendário de mobilizações em 2021, a FUP vai promover o Dia Nacional de Luta em Defesa da Redução do Preço do Botijão de Gás, com mobilizações em diversas cidades do país, articuladas em conjunto com os sindicatos.

A ação, ainda sem data definida, pretende mostrar à população o preço justo do gás de cozinha, repetindo a campanha “Combustíveis a preços justos”, promovida pelos petroleiros em diversas cidades do país durante a greve da categoria, em fevereiro de 2020.

- Quer receber as notícias no seu WhatsApp? Clique aqui.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.