Polícia Ambiental e IAT recolhem mais de 150 cobras em Mandaguari

Por: - 29 de julho de 2020
Polícia Ambiental recolheu 153 cobras da espécie cascavel e uma jararaca / Divulgação Polícia Ambiental

A Polícia Ambiental e o Instituto Água e Terra (IAT) recolheram, na manhã desta terça-feira (29/7), 153 cobras em uma casa em Mandaguari, distante 31 km de Maringá. O homem, de aproximadamente 50 anos, que mantinha as serpentes em casa, entrou em contato com IAT e fez a entrega voluntária. Como a entrega foi espontânea, o responsável não vai ser punido.

Segundo a Polícia Ambiental, o homem tinha 152 cobras da espécie cascavel e uma jararaca. “Essa pessoa recolhia cobras que surgem nos quintais, em veículos e móveis abandonados. Aparentemente de boa fé, ele retirava esses animais, mas não podia permanecer com eles”, explicou o comandante da 3ª Companhia Ambiental, Luciano José Buski.

Os animais foram encaminhados para o Centro de Produção e Pesquisa de Imunobiológicos, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), em Piraquara, distante 447 km de Maringá. De acordo com o comandante, as cobras serão monitoradas, pesquisadas e podem ser utilizadas para produção de soro antiofídico.

A cascavel (Crotalus durissus) é uma cobra venenosa e pode ser encontrada América do Sul. No Brasil, há cinco subespécies de cascavéis. A jararaca (Bothrops jararaca) também é uma serpente venenosa e pode ser encontrada em vários Estados do Brasil. É mais comum em áreas rurais, mas pode ser encontrada em áreas periurbanas.

Quem mantém animais silvestres ou exóticos pode fazer a entrega voluntária, sem nenhuma punição. Se não houver a entrega e o responsável for localizado, a penalidade para quem mantém animais silvestres é a prisão de seis meses a um ano e multa de R$ 500 por animal.

Para comunicar a entrega voluntária ou fazer uma denúncia, basta entrar em contato com o Instituto Água e Terra (IAT) pelo telefone (41) 3213-3465 ou nas unidades regionais do instituto.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.