Sindicato que representa escolas particulares aguarda posição da prefeitura sobre retorno das aulas em Maringá

Por: - 21 de julho de 2020
Sindicato afirma que o retorno deve ser gradual, começando pelo ensino superior / Agência Brasil

O Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Noroeste do Estado do Paraná (Sinepe/NOPR) aguarda uma posição da Prefeitura de Maringá sobre o retorno das aulas presenciais na cidade. Segundo o vice-presidente do Sinepe/NOPR, José Carlos Barbieri, a Secretaria de Saúde aprovou os protocolos sanitários para o retorno das atividades escolares, mas não oficializou as medidas.

O vice-presidente do Sinepe/NOPR informou que, em relação as medidas apresentadas, a Secretaria de Saúde não autorizou apenas o funcionamento de cantinas e a permanência de alunos nas bibliotecas das instituições.

A Prefeitura de Maringá, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que apesar dos estudos e debates com diversos segmentos, ainda não há um protocolo definitivo aprovado pela Secretaria de Saúde que autoriza o retorno às atividades escolares presenciais.

O retorno das aulas presenciais em Maringá é discutido por um comitê intersetorial montado há dois meses. O grupo é formado por representantes do Sinepe/NOPR, Núcleo Regional de Educação (NRE), Conselho Municipal de Educação, secretarias de Educação, Saúde e outros segmentos.

Segundo o município, o comitê intersetorial se reúne semanalmente para debater o formato mais seguro de retorno às aulas, considerando o índice de disseminação do coronavírus na cidade. Apesar disso, não há previsão para o retorno às aulas presenciais. “O retorno ocorrerá quando o cenário for seguro a todos os envolvidos”, informou a assessoria de imprensa do município.

O vice-presidente do Sinepe/NOPR, José Carlos Barbieri, explicou que o comitê elaborou protocolos específicos para cada um dos níveis de ensino. A proposta é que o retorno seja gradual, começando com o ensino superior, depois ensino médio e fundamental e por último o ensino infantil, com período de 14 a 15 dias de intervalo entre cada nível de ensino.

“A educação vai de 0 ano de idade até o doutorado. A proposta começa pelo ensino superior, pelas pessoas que estão trabalhando, saindo de casa, indo ao mercado e tentam voltar à normalidade e estamos deixando por último as crianças”, afirmou Barbieri.

Ele preferiu não revelar as datas propostas para o retorno das atividades escolares presenciais, mas disse que a ideia é retomar as aulas a partir de agosto. Segundo o vice-presidente do Sinepe/NOPR, as instituições particulares podem ser as primeiras a retomar as atividades

“As escolas privadas fizeram os investimentos que tinham que fazer. Para o município e o Estado é muito caro e demorado, porque tem que fazer licitação. A escola privada é uma empresa e o diretor quase sempre é o dono ou mantenedor e acaba tendo uma agilidade maior para fazer as compras”, afirmou Barbieri.

De acordo com Barbieri, a proposta prevê que o retorno dos estudantes não será obrigatório, respeitando alunos do grupo de risco ou que não tenham segurança para retomar as atividades presenciais.

Ele explicou que o ensino remoto emergencial vai continuar e as instituições devem adotar um modelo híbrido, aliando ensino remoto ao presencial. A proposta é que as instituições atendam apenas 50% da capacidade e que as turmas sejam alternadas. Quando não estiverem na escola, os alunos continuam com as atividades remotas em casa.

Os protocolos sanitários estabelecem que as instituições devem aferir a temperatura dos alunos, disponibilizar tapetes para higienização dos pés, equipamentos de proteção para toda a equipe escolar e promover a ventilação e sanitização regular dos ambientes.

Os alunos deverão usar máscara e trazer álcool em gel e garrafa de água. Os bebedouros serão bloqueados para consumo, sendo possível apenas encher as garrafas. Nas salas de aula, deverá ser mantido distanciamento de 1,5 metro entre alunos e professores. Os horários de entrada, saída e intervalo serão reorganizados para evitar aglomerações.

O que se sabe sobre a volta às aulas no Paraná?

No Paraná, não há previsão para o retorno às aulas presenciais. O governo estadual também montou um comitê para discutir um protocolo e definir como será a volta às aulas no Estado.

O comitê vai definir um plano de retorno das aulas presenciais, que deve ser apresentado aos epidemiologistas da Secretaria de Estado da Saúde ainda em julho e levado novamente ao comitê no dia 30 deste mês.  

O comitê se reuniu, de forma online, com representes do Ministério Público, Assembleia Legislativa, sindicatos que representam escolas públicas e particulares, movimentos estudantis e outros. Segundo o governo, a data de retorno das aulas presenciais será definida com base nos números da pandemia e quando tiver condições seguras para o retorno.

Recentemente, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) desmentiu uma  informação falsa de que as aulas no Paraná voltariam em 17 de agosto. A Seed alerta que qualquer definição de retorno vai ser informada pelos canais oficiais na internet.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.