Contra a dengue, Ministério Público pede informações sobre a fiscalização em prédios públicos fechados em Maringá

Por: - 15 de maio de 2020
Fachada da Escola Municipal Milton Santos, no Parque Avenida / Prefeitura de Maringá

O Ministério Público do Paraná (MP-PR), por meio da 14ª Promotoria de Justiça da Comarca, encaminhou nesta sexta-feira (15/5) duas recomendações administrativas à Prefeitura de Maringá e uma ao Estado voltadas ao combate à dengue na cidade. Os documentos solicitam fiscalização em prédios públicos fechados devido à Covid-19.

As recomendações foram dirigidas aos secretários municipais de Obras Públicas, de Serviços Públicos e de Educação e à gestão do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Maringá. O Ministério Público pede providências e fiscalização nas escolas municipais e obras públicas eventualmente paradas por conta da pandemia do coronavírus.

Segundo o MP-PR, a intenção é evitar que os prédios públicos, agora fechados, se tornem criadouros para o mosquito da dengue. A Prefeitura de Maringá e o Estado têm 15 dias para responder as recomendações com informações sobre as medidas adotadas.

Nesta semana, o Ministério Público também cobrou da Secretaria de Saúde de Maringá informações sobre as ações e o contingente de fiscalização da dengue na cidade. O MP-PR quer saber se as medidas de combate à dengue foram afetadas pelo enfrentamento à Covid-19.

A Prefeitura de Maringá, por meio da assessoria de imprensa, informou que as ações de combate à dengue continuam, mesmo com a pandemia do coronavírus. Segundo o município, os prédios públicos fechados seguem com manutenção e as obras foram retomadas. A prefeitura disse que vai apresentar as explicações para o MP-PR dentro do prazo exigido.

Segundo boletim da Secretaria de Estado da Saúde divulgado na terça-feira (12/5), Maringá tem 6.896 casos confirmados de dengue, 435 a mais do que o balanço anterior. Na cidade, nove pessoas morreram em decorrência da doença.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.