Polícia Civil prende cinco suspeitos de estelionato que diziam ser da Receita Federal

Por: - 4 de maio de 2020
Grande quantia de bolívares, dinheiro da Venezuela, estava com suspeitos. A Polícia Civil suspeita que o dinheiro era utilizado como volume para auxiliar em fraudes / Divulgação PC/PR

A Polícia Civil do Paraná (PC/PR) prendeu cinco suspeitos de esteleionato na manhã desta segunda-feira (4/5). As pessoas são suspeitas de integrar uma associação criminosa envolvida em estelionatos. Os investigados diziam ser da Receita Federal para aplicar golpes. A ação aconteceu na capital paranaense e no Interior do Estado.

Além das prisões, a PC/PR também cumpriu 13 mandados de busca e apreensão em endereços relacionados aos alvos, em Curitiba e nos municípios de Sarandi e Maringá.

Durante as buscas, os policiais civis encontraram diversos documentos relacionados aos golpes, cartões da Receita Federal e uma grande quantia de bolívares (dinheiro da Venezuela). A suspeita é de que o dinheiro era utilizado como volume para auxiliar em fraudes.

O crime que motivou a investigação resultou em um prejuízo de R$ 75 mil a uma das vítimas. Contudo, outros casos são investigados. De acordo com relato da vítima em questão, um dos criminosos teria se passado por auditor da Receita Federal e negociado uma pá carregadeira, como se o bem integrasse um lote à venda pelo órgão.

O principal alvo da operação, conhecido como “Turco”, é suspeito de se passar pelo auditor. Turco já possuí uma extensa ficha criminal e responde a diversos processos por estelionato. Outro indivíduo é suspeito de atrair e incentivar vítimas a caírem no golpe.

Os demais tratam-se da esposa de “Turco” e outros que se beneficiam com a prática criminosa. Todos os investigados já respondem processo e possuem um vasto histórico de cometimento de crimes de estelionato.

Uma mulher envolvida com o bando está foragida. A PCPR dá continuidade às investigações com o intuito de localizá-la.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.