Máscaras caseiras podem ajudar na prevenção contra o coronavírus. Veja dicas de como fazer e usar

Por: - 6 de abril de 2020
Apenas o uso da máscara não é suficiente, pesquisadores também recomendam higienização constante e isolamento social Reprodução/UFSC

O uso de máscaras caseiras no combate ao coronavírus ainda gera dúvidas sobre a eficácia e a melhor maneira de serem feitas e usadas. Em nota técnica, a Comissão de Acompanhamento e Controle de Propagação do Coronavírus da Universidade Federal do Paraná (UFPR) recomendou o uso de máscaras caseiras.

Segundo a nota, as máscaras devem ser utilizadas de modo adequado, especialmente para reduzir a transmissão do vírus por indivíduos assintomáticos, que desenvolvem sintomas leves do vírus e podem nem saber que estão contaminados.

Assim, o uso universal das máscaras caseiras pode contribuir para diminuir a propagação por gotículas liberadas por pessoas doentes e assintomáticas para os ambientes.

A comissão destaca que as máscaras cirúrgicas devem ser utilizadas por profissionais da saúde, por isso é recomendado à população em geral a utilização das máscaras caseiras, que não podem ser confeccionadas de qualquer forma.

O Ministério da Saúde recomenda que a máscara tenha pelo menos duas camadas de pano. Além disso, a máscara deve ser individual, não pode ser dividida com ninguém. As máscaras caseiras podem ser feitas em tecido de algodão, tricoline, TNT ou outros tecidos, desde que desenhadas e higienizadas corretamente.

Segundo o ministério, o importante é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e nariz e que esteja bem ajustada ao rosto, sem deixar espaços nas laterais. Nesta segunda-feira (6/4), o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, postou vídeo ensinando como a máscara pode ser feita.

Outro fator importante é que as máscaras caseiras não têm mostrado grau elevado de proteção para as pessoas não infectadas. O grau de proteção está associado ao fato da máscara prevenir o espalhamento das gotículas dos assintomáticos do que de garantir que pessoas saudáveis não se contaminem.

Por isso, apenas o uso da máscara não é suficiente. A comissão recomenda que a utilização do artefato seja combinada à higienização da mãos, distanciamento e isolamento social, por exemplo. Acesse aqui a nota completa da comissão.

Veja dicas de como usar a máscara caseira de maneira correta

A Comissão de Acompanhamento e Controle de Propagação do Coronavírus da Universidade Federal do Paraná (UFPR) alerta que, se as máscaras não forem utilizadas da maneira correta, podem contribuir para a disseminação do coronavírus. Confira algumas orientações:

  • Antes de colocar a máscara, lave as mãos com água e sabão;
  • Cubra a boca e nariz com a máscara, verificando se não há espaços soltos entre a máscara e a face;
  • Evite tocar na máscara enquanto estiver fazendo uso dela e se tocá-la, lave suas mãos com água e sabão;
  • Substitua sua máscara assim que perceber que ela ficou úmida; por ser uma máscara caseira de tecido, recomendamos que ela seja lavada com água e sabão e seja bem seca antes de reutilizar;
  • Para retirá-la, não toque na parte da frente da máscara, remova segurando pelo elástico ou pela fita que a amarra, e se não puder lavar imediatamente, coloque em saco plástico separado até o momento em que for lavar (o mais breve possível);
  • Assim que retirar a máscara, lave suas mãos com água e sabão.

Além das orientações sobre o uso de máscaras, cientistas da UFPR têm respondido dúvidas sobre a contaminação de prevenção do coronavírus.

São questões como vacina, animais de estimação, exercícios físicos, atividades para crianças, visitas, grupos de risco, limpeza de embalagens e frutas, ações de solidariedade, fatores de risco e ansiedade. Acesse aqui as respostas dos cientistas.

Se você tem alguma dúvida e deseja participar, basta enviar a pergunta para o e-mail [email protected] ou no direct do perfil @agenciaescolaufpr no Instagram, com nome completo, idade, profissão e cidade onde mora.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.