Prefeitura de Maringá vai vender 45 terrenos e que arrecadar R$ 29,6 milhões. Maioria dos lotes é na Cidade Industrial

Por: - 4 de março de 2020
Preço do metro quadrado na Cidade Industrial varia entre entre R$ 121,73 e R$ 340,36 / Prefeitura de Maringá

A Prefeitura de Maringá pretende vender 45 terrenos por no mínimo R$ 29,6 milhões. A maioria dos lotes está localizada na Cidade Industrial. Na região, são 28 terrenos por no mínimo R$ 24 milhões. Os outros 17 lotes são na Gleba Ribeirão Pinguim, na Avenida Arquiteto Nildo Ribeiro da Rocha, e a expectativa é arrecadar no mínimo R$ 4,7 milhões.

O preço do metro quadrado é mais caro na Gleba Ribeirão Pinguim (veja aqui o edital). Na região, o metro quadrado varia entre R$ 607,30 e R$ 787,54. A maioria dos terrenos tem 416,86 metros quadrados. O maior, com 548,50 metros quadrados, tem valor mínimo de R$ 16.825,24.

O preço do metro quadrado na Cidade Industrial varia entre entre R$ 121,73 e R$ 340,36 (veja aqui o edital). O menor lote com 1.100 metros quadrados tem valor mínimo de R$ 265.408,00 e o maior lote, com mais de 20 mil metros quadrados, tem preço mínimo de R$ 3,4 milhões.

A abertura dos envelopes e realização da concorrência para venda dos imóveis da Cidade Industrial vai ser no dia 30 de março, a partir das 9h, na Diretoria de Licitações. A concorrência para venda dos terrenos da Gleba Ribeirão Pinguim está marcada para primeiro de abril.

Para aquisição dos lotes da Cidade Industrial, podem participar empresas que tenham Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ). Os terrenos da Gleba Ribeirão Pinguim podem ser adquiridos por pessoa física ou jurídica.

Na Cidade Industrial, os empresários podem conseguir descontos que variam de 60% até 90% do valor do terreno. Para isso, a empresa precisa de um cadastro prévio na Secretaria de Inovação e Desenvolvimento Econômico (Seide).

No cadastro, a empresa precisa informar a quantidade de empregos que vão ser criados, recursos financeiros empregados, poluentes e benefícios dos funcionários.

Além dos subsídios de desconto no valor dos terrenos, a empresa ganha outros benefícios como a isenção do Imposto Sobre Serviços (ISS) da construção, demarcação e terraplanagem do lote, desconto de 50% no Imposto Sobre Transição de Bens e Imóveis (ITBI) e isenção do Imposto Territorial Urbano (IPTU) por 10 anos, após concedido habite-se.

De acordo com a Prefeitura de Maringá, duas das quatro etapas da Cidade Industrial estão liberadas para construção. Uma empresa já está instalada no local e cinco estão em fase de edificação. Outra empresa entrou com pedido de habite-se. Dos 280 lotes disponíveis, 207 foram vendidos.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.