Por causa da greve, cerca de 1,8 mil alunos ficaram sem aula pela manhã em Maringá, informa Núcleo de Educação

Por: - 25 de junho de 2019
Das 33 escolas da rede estadual de ensino de Maringá, 23 retomam as aulas na segunda-feira (22/7), para reposição do período de greve dos professores e funcionários / Murillo Saldanha

Levantamento preliminar do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Maringá, realizado em 16 dos 33 colégios estaduais da cidade, mostra que 118 professores não compareceram às escolas e 1.817 alunos ficaram sem aula na manhã desta terça-feira (25/6). O balanço foi feito apenas no período matutino e deve ser atualizado à tarde. É o primeiro dia da greve anunciada pelo funcionalismo público do Paraná.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Paraná (APP-Sindicato), cerca de 40% dos servidores aderiram à greve em Maringá. O sindicato informou que apenas o Colégio de Aplicação Pedagógica da Universidade Estadual de Maringá (UEM) foi fechado totalmente.

Professores, funcionários e alunos de escolas estaduais da cidade ficaram reunidos na manhã desta terça-feira (25/6) em frente ao NRE de Maringá. Sem reajuste desde 2016, a categoria reivindica o pagamento da data-base de 4,94%. Por volta das 11 horas, o chefe do Núcleo de Educação, Luciano Pereira dos Santos, recebeu a imprensa e representantes da APP-Sindicato.

A preocupação dos servidores era com um documento que teria sido enviado às escolas com orientações sobre a greve. Entre outras informações, o documento dizia que professores do Processo Seletivo Simplificado (PSS) que faltassem poderiam ter o contrato com o Estado encerrado.

De acordo com Luciano dos Santos, nenhum documento foi emitido pelos Núcleos Regionais de Educação ou pela Secretaria do Estado da Educação (Seed). Ele também informou que a reposição dos dias de aula afetados pela greve será discutida posteriormente. “A orientação é fazer o levantamento das ausências, encaminhar para a Seed, que através de uma negociação aberta com o comando estadual de greve e representantes do Governo poderão ter uma resposta definitiva para essa situação”.

O chefe do NRE de Maringá também afirmou que o Governo do Estado está aberto ao diálogo com os servidores. “A reivindicação da categoria é pautada em números que não são dessa gestão. O governador Ratinho Junior está fazendo o possível para que haja sinalização dessa reposição que, até onde tenho notícia, não vai acontecer em uma única parcela. É preciso se programar para isso”.

Chefe do Núcleo de Educação recebeu a imprensa e a APP-Sindicato / Murillo Saldanha

Policiais recuaram nos protestos

Apesar dos professores e outras categorias estarem mobilizados, os policiais resolveram suspender as manifestações. Segundo informações do site Paraná Portal, a Associação dos Delegados de Polícia Civil do Paraná (Adepol-PR), que comanda as manifestações das classes policiais, informou que o Governo do Estado se comprometeu a apresentar uma proposta oficial de reajuste na próxima semana. Com isso, a categoria recuou.

Segundo a presidente da APP-Sindicato em Maringá, Vilma Garcia da Silva, a greve dos professores está mantida. “Se o governo se comprometer com alguns itens da pauta não há problema para encerrar a greve, mas essa não é uma decisão da diretoria do sindicato, é uma decisão que deve ser tomada em conjunto pela categoria, em uma assembleia estadual”, explicou.

A presidente do sindicato disse acreditar que o recuo dos policiais não enfraquece o movimento. De acordo com ela, os servidores não reivindicam apenas a recomposição salarial, mas também pedem a retirada do projeto de lei complementar 4/2019, de autoria do Governo do Estado, que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Para a APP-Sindicato, o projeto cria condições que inviabilizam o pagamento de reposição salarial, promoções e progressões dos servidores. “A data-base é o principal, mas temos outros itens em que é preciso avançar. Talvez esse projeto seja o item mais grave”, avaliou Vilma da Silva.

Os servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM) ligados ao Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá e Região (Sinteemar) e o Sesduem, que representa os docentes da universidade, aprovaram indicativo de greve para quarta-feira (26/6). Uma assembleia vai ser realizada na UEM na manhã desta quarta.

Segundo o presidente do Sinteemar, José Maria Marques, a universidade deve entrar de greve nesta quarta-feira e as atividades no campus serão suspensas por tempo indeterminado. Além da UEM, outras universidades estaduais também entram em greve.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.