Por causa da greve, cerca de 1,8 mil alunos ficaram sem aula pela manhã em Maringá, informa Núcleo de Educação

Por: - 25 de junho de 2019
Das 33 escolas da rede estadual de ensino de Maringá, 23 retomam as aulas na segunda-feira (22/7), para reposição do período de greve dos professores e funcionários / Murillo Saldanha

Levantamento preliminar do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Maringá, realizado em 16 dos 33 colégios estaduais da cidade, mostra que 118 professores não compareceram às escolas e 1.817 alunos ficaram sem aula na manhã desta terça-feira (25/6). O balanço foi feito apenas no período matutino e deve ser atualizado à tarde. É o primeiro dia da greve anunciada pelo funcionalismo público do Paraná.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Paraná (APP-Sindicato), cerca de 40% dos servidores aderiram à greve em Maringá. O sindicato informou que apenas o Colégio de Aplicação Pedagógica da Universidade Estadual de Maringá (UEM) foi fechado totalmente.

Professores, funcionários e alunos de escolas estaduais da cidade ficaram reunidos na manhã desta terça-feira (25/6) em frente ao NRE de Maringá. Sem reajuste desde 2016, a categoria reivindica o pagamento da data-base de 4,94%. Por volta das 11 horas, o chefe do Núcleo de Educação, Luciano Pereira dos Santos, recebeu a imprensa e representantes da APP-Sindicato.

A preocupação dos servidores era com um documento que teria sido enviado às escolas com orientações sobre a greve. Entre outras informações, o documento dizia que professores do Processo Seletivo Simplificado (PSS) que faltassem poderiam ter o contrato com o Estado encerrado.

De acordo com Luciano dos Santos, nenhum documento foi emitido pelos Núcleos Regionais de Educação ou pela Secretaria do Estado da Educação (Seed). Ele também informou que a reposição dos dias de aula afetados pela greve será discutida posteriormente. “A orientação é fazer o levantamento das ausências, encaminhar para a Seed, que através de uma negociação aberta com o comando estadual de greve e representantes do Governo poderão ter uma resposta definitiva para essa situação”.

O chefe do NRE de Maringá também afirmou que o Governo do Estado está aberto ao diálogo com os servidores. “A reivindicação da categoria é pautada em números que não são dessa gestão. O governador Ratinho Junior está fazendo o possível para que haja sinalização dessa reposição que, até onde tenho notícia, não vai acontecer em uma única parcela. É preciso se programar para isso”.

Chefe do Núcleo de Educação recebeu a imprensa e a APP-Sindicato / Murillo Saldanha

Policiais recuaram nos protestos

Apesar dos professores e outras categorias estarem mobilizados, os policiais resolveram suspender as manifestações. Segundo informações do site Paraná Portal, a Associação dos Delegados de Polícia Civil do Paraná (Adepol-PR), que comanda as manifestações das classes policiais, informou que o Governo do Estado se comprometeu a apresentar uma proposta oficial de reajuste na próxima semana. Com isso, a categoria recuou.

Segundo a presidente da APP-Sindicato em Maringá, Vilma Garcia da Silva, a greve dos professores está mantida. “Se o governo se comprometer com alguns itens da pauta não há problema para encerrar a greve, mas essa não é uma decisão da diretoria do sindicato, é uma decisão que deve ser tomada em conjunto pela categoria, em uma assembleia estadual”, explicou.

A presidente do sindicato disse acreditar que o recuo dos policiais não enfraquece o movimento. De acordo com ela, os servidores não reivindicam apenas a recomposição salarial, mas também pedem a retirada do projeto de lei complementar 4/2019, de autoria do Governo do Estado, que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Para a APP-Sindicato, o projeto cria condições que inviabilizam o pagamento de reposição salarial, promoções e progressões dos servidores. “A data-base é o principal, mas temos outros itens em que é preciso avançar. Talvez esse projeto seja o item mais grave”, avaliou Vilma da Silva.

Os servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM) ligados ao Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá e Região (Sinteemar) e o Sesduem, que representa os docentes da universidade, aprovaram indicativo de greve para quarta-feira (26/6). Uma assembleia vai ser realizada na UEM na manhã desta quarta.

Segundo o presidente do Sinteemar, José Maria Marques, a universidade deve entrar de greve nesta quarta-feira e as atividades no campus serão suspensas por tempo indeterminado. Além da UEM, outras universidades estaduais também entram em greve.

- Quer receber as notícias no seu WhatsApp? Clique aqui.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.