Guarda Municipal vai usar aplicativo de reconhecimento facial durante Maringá Encantada para identificar suspeitos

Por: - 9 de novembro de 2018
Apesar de ser um teste, prefeitura não descarta a possibilidade de contratar serviço semelhante (Imagem/PMM)

Os agentes da Guarda Municipal (GM) vão utilizar aplicativo de monitoramento facial para auxiliar na segurança da “Maringá Encantada – Um Natal de Luz e Emoção”. No total, 25 agentes estão em treinamento para utilizar por 60 dias a ferramenta “Vface“, desenvolvida por uma empresa do Rio Grande do Sul.

A fiscalização com o aplicativo começa na quinta-feira (15/11), na chegada do Papai Noel. Por meio de celular com câmera e acesso à internet, o aplicativo permite que o agente encaminhe a imagem da face da pessoa abordada para um servidor, que fará a identificação e retornará os dados ao agente.

Segundo o secretário de Segurança Pública, tenente-coronel Antônio Roberto dos Anjos Padilha, a base de dados em que as informações serão consultadas é fornecida pela própria empresa. De acordo com ele, os agentes receberão celulares da prefeitura para desenvolver o trabalho com a ferramenta.

A meta é que cada viatura da GMl tenha pelo menos um celular. Padilha explicou que o aplicativo será utilizado durante toda a programação de Natal para auxiliar os agentes na identificação de suspeitos e no cadastro de crianças que chegam com os pais – neste caso de maneira facultativa.

Afirmou que o agente precisa de uma fundamentação para decidir em quais situações irá utilizar a ferramenta. “Ele não poderá sair por aí fotografando as pessoas. Tem que ser suspeito em uma abordagem, como tráfico de entorpecentes e consultar se essa pessoa tem outras passagens”, explicou.

Para Padilha, o aplicativo pode agilizar o trabalho da GM. Apesar de ser um teste, a ideia é contratar tecnologia parecida para ser utilizada na segurança do município. A ferramenta poderia ser utilizada na Patrulha Maria da Penha, para identificação de suspeitos de violência contra a mulher.

A ferramenta também poderia ser usada com outras secretarias. “A gente pode organizar um cadastro de pessoas que tem Alzheimer, se perdem e esquecem onde moram. Hoje, essa identificação é feita através das redes sociais e a gente não tem como saber se a informação é verdadeira”.

Nesta sexta-feira (9/11) ocorreu a abertura do curso de capacitação dos agentes da GM utilizarem a ferramenta. O curso será ministrado pelo professor Jean Paul Lopes, idealizador do projeto “Vface”. Por se tratar de um teste, a prefeitura não terá custos com o uso do aplicativo.

Tecnologia é utilizada em algumas cidades

Em Santa Catarina, a Polícia Militar utiliza o aplicativo “Vface” para auxiliar o trabalho dos policiais. Em algumas cidades do país e do mundo, outros softwares também são utilizados para trazer mais agilidade e inteligência na área de segurança.

A Arena Corinthians, por exemplo, fechou parceria para utilizar um sistema de reconhecimento facial. Aliar tecnologia à segurança também foi tema nas eleições deste ano. No Rio de Janeiro, o governador eleito Wilson Witzel (PSC) disse que vai instalar câmeras de reconhecimento facial nas ruas.

No contexto internacional, o sistema de reconhecimento facial já foi usado para encontrar responsáveis pelos ataques terroristas na maratona de Boston em 2013. Porém, esse tipo de software também levanta questionamentos sobre a privacidade.

Um dos casos preocupantes do uso da tecnologia vem da China. Lá, além do reconhecimento facial, o governo utiliza uma ferramenta com capacidade de rastrear objetos e pessoas em tempo real.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.