Movimento Brasil Livre faz campanha contra presença da escritora Márcia Tiburi na Festa Literária de Maringá. Organização da Flim vai analisar manifestação

Por: - 7 de novembro de 2018
Márcia Tiburi é escritora do livro "Como conversar com um fascista" (Imagem/Reprodução Facebook)

O Movimento Brasil Livre (MBL) lançou uma campanha nas redes sociais contra a presença da professora e escritora Márcia Tiburi na programação da Festa Literária Internacional de Maringá (Flim). As manifestações chegaram na secretaria de Cultura e serão discutidas pela Comissão Organizadora da Flim.

Os apoiadores de Márcia Tiburi reagiram e, nesta quinta-feira (8/11), passou a circular nas redes sociais o movimento “#ElaSim, Queremos Márcia Tiburi na Festa Literária de Maringá”.

A campanha contra a escolha de Márcia Tiburi começou com a divulgação de um vídeo na página do Facebook do MBL nesta terça-feira (6/11). O vídeo reúne algumas declarações da escritora, como a que ela seria favorável ao assalto e outras em referência ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Na postagem, o MBL afirma que não aceita discursos como o de Márcia Tiburi e criou a campanha #ElaNão e #ComMeuDinheiroNão. “Vale ressaltar que somos favoráveis a Flim. Mas não venha com doutrinação petista na terra de Sérgio Moro”, diz a publicação.

Márcia Tiburi vive no Rio de Janeiro e nas eleições passadas foi candidata a governadora no Estado pelo PT. Ela obteve 447.376 votos e ficou em sétimo lugar no primeiro turno. Professora, Márcia é formada em Filosofia (PUC-RS) e Artes Plásticas (UFRS) e é doutora em Filosofia (UFRS).

Na ficção, ela estreou com o romance “Magnólia” (2005) e é autora de outros títulos como “Fascismo em comum: para todas, todes e todos” (2018) e “Como conversar com um fascista” (2015). O novo romance da escritora é “Sob os pés, meu corpo inteiro”, que está sendo lançado em todo o Brasil.

A palestra de Márcia na Flim terá o tema “Mulheres de Palavra” e está marcada para o dia 23/11, às 19h30. Os autores foram escolhidos pelo curador Rogério Pereira, com aprovação da Comissão Organizadora. Com o tema “Resistências”, a Flim deste ano propõe discutir sobre negros, índios, mulheres, LGBTI+ e refugiados.

MARCIA TIBURI E A DOUTRINAÇÃO PETISTA EM MARINGÁ

MARCIA TIBURI E A DOUTRINAÇÃO PETISTA EM MARINGÁ.Maringá é terra de Sergio Moro. Não aceitamos discursos como de Marcia Tiburi financiado com o dinheiro do povo. Vale ressaltar que somos favoráveis a FLIM. Mas não venha com doutrinação petista na terra de Sérgio Moro. Veja quem é Marcia Tiburi no vídeo abaixo e compartilhe.

Posted by MBL – Movimento Brasil Livre Maringá on Tuesday, November 6, 2018

Para MBL, campanha não representa censura

Os comentários no vídeo divulgado na página do MBL Maringá estão divididos. Enquanto alguns questionam a vinda da escritora e a posição do prefeito Ulisses Maia (PDT), outros defendem o Estado Democrático de Direito, afirmando que impedir a presença dela no evento seria censura.

Um dos coordenadores do MBL Maringá, Arthur Oliynik, afirmou que o Movimento é contra a vinda da escritora para Maringá, mas que o objetivo da postagem não é impedir a presença dela na Flim. “A gente acha que, como é dinheiro público, temos todo o direito de criticar, não gostar da vinda dela, expor o que ela diz e questionar isso”.

Na postagem do Facebook, o MBL afirmou que a escritora poderia trazer a “doutrinação petista” para Maringá. Segundo Arthur Oliynik, um dos motivos que levaram o MBL a protestar contra a vinda da escritora são as bandeiras políticas levantadas por ela.

“Essa escritora é conhecida pelos discursos que faz, por ter um viés muito ideológico nas palestras e isso ela traria para Maringá. Como a maioria da população e até mesmo o MBL não concorda, ficou evidente que não seria legal trazer a Márcia para cá”, disse.

Para o coordenador do MBL em Maringá, questionar a vinda de Márcia Tiburi por ela ter uma ideologia política diferente do movimento, não é censura. “Quando a vinda da Márcia Tiburi é usada com dinheiro público, o cidadão tem o direito de boicotar porque não concorda. Agora, se fosse uma instituição privada, a gente não poderia fazer nada”.

Ela não, Ela nunca

Posted by MBL – Movimento Brasil Livre Maringá on Wednesday, November 7, 2018

Secretário de Cultura afirma que manifestação será discutida

O secretário de Cultura e presidente da Comissão Organizadora da Flim, Miguel Fernando, participava de um evento em São Paulo na manhã desta quarta-feira (7/11), mas por telefone disse que retorna para Maringá nesta quinta-feira (08/11) e que as manifestações do MBL serão discutidas em uma reunião com todos os membros da comissão.

Miguel Fernando afirmou que a secretaria de Cultura não recebeu nenhuma reclamação contra a vinda da escritora para Maringá. Ele disse que, por enquanto, não existe nenhuma posição fechada sobre um possível cancelamento da presença de Márcia Tiburi na Flim.

Para o secretário, as manifestações do MBL são legítimas e fazem parte do processo democrático. Porém, ele disse que a escolha do nome da autora para a Flim se deu pelo fator literário e não político. “Ela fez aquelas falas [do vídeo], mas em nenhum evento daqueles ela foi para discutir literatura. O nosso foco é literatura, não nos cabe discutir o aspecto político partidário”.

Ele também citou exemplos de outros artistas convidados como Arnaldo Antunes e Fabrício Carpinejar, que também se posicionaram politicamente, mas que esse não será o foco da Festa Literária. “A Márcia Tiburi foi candidata a governadora, fez algumas críticas, mas não estamos em período eleitoral e a vida segue. Parece que alguns grupos ainda não entenderam isso”, disse.

  • Primeira atualização feita às 9h50 desta quinta-feira (8/11), com a inclusão da informação sobre criação de uma página no Facebook em defesa de Márcia Tiburi.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.