Pelas redes sociais, grupo organiza marcha da maconha em Maringá com uma semana de debates sobre o tema

Por: - 7 de julho de 2018
Manifestantes realizam Marcha da Maconha em São Paulo (Imagem/Empresa Brasil de Comunicação)

Um movimento chamado “Marcha da Maconha Maringá 2018” ganhou espaço nas redes sociais. O grupo intitulado como Associação Antiproibicionista de Maringá, organiza a “Primeira Semana Antiproibicionista” da cidade com debates sobre a atual política de drogas brasileira.

Organizado pelo Facebook, 328 pessoas confirmaram presença no evento. De acordo com a publicação, a semana começaria no dia 20 de agosto, com a exibição de um documentário sobre as origens do proibicionismo. Para encerrar as discussões, está marcada no sábado 25 agosto, na Praça Deputado Renato Celidônio, a “Marcha da Maconha Maringá 2018”.

Na página, a associação diz ser formada “por estudantes e trabalhadores”. A ideia do grupo é popularizar o tema e “levar ao município informações relativas aos problemas sociais gerados pela atual lei de drogas”.

Em postagens no Facebook, a associação critica a lei antidrogas do Brasil. Para o grupo, a atual legislação serve para criminalizar os negros e pobres.“Os dados mostram que essa lei nunca atingiu o seu objetivo, pelo contrário, o uso e o tráfico de drogas aumentaram progressivamente ao longo dos anos.”

Para conseguir recursos, o grupo também começou vaquinha virtual e vende adesivos e rifas. O objetivo é arrecadar R$ 2 mil para ajudar na organização do ato.

Procurado, o secretário municipal de Segurança Pública, tenente-coronel Antônio Padilha, informou nesta sexta-feira (6/7) que não tinha conhecimento sobre a realização de uma marcha da maconha em Maringá e que preferia não se manifestar sobre o assunto.

Porém, Padilha diz que, dentro do princípio da legalidade, entende que a marcha não é legal. “A maconha não é uma atividade lícita. Falando como Poder Público, não podemos concordar.”

De acordo com um dos organizadores da Marcha da Maconha Maringá, Lucas Fernando de Melo Lima, os ofícios para a realização do ato serão encaminhados nesta semana para os órgãos responsáveis pela autorização de manifestações na cidade.

Ele afirma que a Marcha da Maconha não é uma apologia ao uso da droga e foi considerada um movimento social pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em 2011.

“A gente defende que o uso recreativo seja regulamentado, porém, durante a marcha a gente não vai estar estimulando o uso. Mas não tem como a gente fiscalizar cada um. A gente vai tentar fazer falas lá na hora para eles saberem que correm o risco de que se alguém começar a usar droga, a polícia pode levar a pessoa”, diz Lucas Lima.

Confira a programação descrita no Facebook: 

  • Segunda-feira 20/8 – Abertura com documentário completo e as origens do proibicionismo e a antiga relação dos homens com as substâncias psicoativas. Palestrante: Professor Mestre Jorge Henrique Lopes
  • Terça -feira 21/8 – Tema:Encarceramento negro e feminino
  • Quarta-feira 22/8 – Tema: A inconstitucionalidade da Lei de Drogas e suas consequências. Palestrante: Juiz Fábio Bergamin Capela
  • Quinta-feira 23/8 – O poder terapêuticos das drogas ilícitas
  • Sexta-feira 24/8 – Uso e abuso de drogas/Redução de Danos
  • Sábado 25/8 – Encerramento com a Marcha da Maconha Maringá 2018

 

  • A reportagem foi atualizada na segunda-feira (9/7) às 13h com as informações de Lucas Fernando de Melo Lima, um dos organizadores da Marcha da Maconha.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.