Dos 28 operadores de voo da Torre de Controle do aeroporto de Maringá, 20 são desligados. Agora, pousos e decolagens são por “procedimentos de rádio”

Por: - 4 de junho de 2018
Torre de Controle do Aeroporto Regional de Maringá Silvio Name Júnior / Prefeitura de Maringá

Dos 28 operadores de voo da Torre de Controle do Aeroporto Regional de Maringá Silvio Name Júnior restaram oito em atividade. A partir desta segunda-feira (4/6), a decisão para aproximação de pousos e decolagens passa a ser dos pilotos das aeronaves, e não mais da Torre de Controle.

O chamado “procedimento de torre” foi substituído pelo “procedimento de rádio” das 18h às 24h. Das 4h às 18h as decisões permanecem sendo dos operadores de voo. Do ponto de vista operacional, segundo o superintendente do aeroporto, Fernando Rezende, a diferença básica é a prerrogativa de decisão sobre pousos e decolagens.

“É importante deixar claro que todas as informações necessárias para a tomada de decisão são repassadas para os pilotos, que são preparados para isso. A Sala de Navegação Aérea e a Estação Meteorológica permanecem funcionando normalmente”, disse Rezende nesta manhã.

Devido à redução de operadores de voo e a mudança nos procedimentos, ao invés de dois profissionais por turno, o contingente passa a ser de apenas um.

O desligamento dos 20 operadores se deu por recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU). Ocorre que 20 deles são militares aposentados pela Força Aérea Brasileira (FAB) e, por lei, não podem ter duas fontes públicas de vencimentos.

Alguns dos profissionais afastados trabalhavam no aeroporto desde 2008, disse Rezende. No caso, além da aposentadoria da FAB, eles também recebiam salários da companhia pública de capital misto SBMG, que administra o aeroporto de Maringá.

Segundo Rezende, os ‘procedimentos por rádio’ são utilizados em vários aeroporto do país. Citou os de Passo Fundo e Caxias do Sul, ambos no Rio Grande do Sul.

Adiantou que a operacionalização da Torre de Controle será terceirizada por meio de licitação pública. O custo previamente estimado é de R$ 2,5 milhões por ano. “A situação atual é temporária, até que a licitação seja concluída”, observou.

Um grupo de quatro profissionais de apoio do Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cibdacta II) está em Maringá há cerca de dez dias, para auxiliar nas operações da Torre de Controle do aeroporto.

Nas redes sociais, o Movimento Brasil Livre Maringá está reproduzindo um manifesto, com a frase “Socorro, o Piloto Sumiu”, com a afirmação que “o aeroporto perdeu a Torre de Controle. Pilotos agora vão precisar definir pousos e decolagens” e atribui a situação à “incompetência da prefeitura”.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.