Carreata em apoio aos caminhoneiros nesta segunda-feira chega a 4 km de extensão e muda o ‘cenário de feriado’ nas principais avenidas de Maringá. Veja vídeo

Por: - 28 de maio de 2018

A ‘paradeira’ do centro de Maringá foi rompida na tarde desta segunda-feira (28/5) com a carreata em apoio aos caminhoneiros, que iniciaram o movimento na segunda-feira passada. O buzinaço foi puxado por um caminhão de som, que exibida uma faixa pedindo “Intervenção Militar Já”. A palavra de ordem também estava grafada em outros veículos.

A fila formada pelos manifestantes chegou a cerca 4 km de extensão – o tamanho variava dependendo da distância entre os veículos participantes, que aumentava quando o sinal fechava. O locutor do carro de som pedia o apoio da população ao movimento, que “é de todos os brasileiros”, e conclamava os comerciantes a baixar as portas das lojas.

Caminhão na carreta desta segunda-feira, com “Intervenção Militar” e “Fora Temer” no para-brisa

Nesse segundo quesito, não obteve  grande êxito, pelo menos na parte da Avenida Brasil, entre a Praça do Peladão e a esquina das Casas Pernambucanas, trecho acompanhado pela reportagem, percorrido entre às 15h50 e 16h30. Algumas pessoas acenaram, fizeram sinal de positivo e usaram o celular para registrar o ato.

Enquanto a pista do sentido Maringá Velho – Centro estava intransitável, a outra, em sentido inverso, estava praticamente vazia. Atrás do carro de som, seguiram dezenas de motos, veículos baixos, caminhonetes, caminhões com as carroceiras ocupadas por pessoas com bandeiras, cavalinhos de carretas e cerca de 10 tratores fechando o buzinaço.

Um agente de trânsito da Setrans seguiu à frente da carreata, para segurar o trânsito nas rotatórias e algumas esquinas. A carreata, sem trajeto definido previamente, começou na Avenida Alexandre Rasgulaeff e circulou pelas principais vias do centro de Maringá, com com muito barulho de buzina de caminhão, que se sobressai às demais.

 

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.