Caminhoneiro morre atropelado em protesto na BR-376, em Paranavaí. São mais de 20 pontos de bloqueio parcial nas rodovias do Paraná. Veja os locais

Por: - 21 de maio de 2018
Bloqueio de caminhoneiros na PR-444, em Arapongas, por volta das 10h30 de segunda-feira 21/05/20180 / Walter Téle

A greve dos caminhoneiros teve início às 6h desta segunda-feira (21/5), motivada pela alta no preço dos combustíveis. Até as 11h50, no Paraná os bloqueios parciais estavam ocorrendo em 12 pontos de rodovias federais e sete em estaduais, entre os quais seis na região de Maringá.

Na tarde do último sábado (19/5) a Advocacia Geral da União (AGU) concedeu liminar que proíbe o bloqueio total de PRs e BRs no Paraná, sob pena de multa de R$ 100 mil por hora de interdição.

Lideranças do movimento foram notificadas por oficial de Justiça em pelo menos dois pontos: na BR-116, em Quatro Barras; e na BR-277, em Paranaguá.

Após a decisão, a orientação dos sindicatos aos motoristas foi para bloqueios parciais, como está ocorrendo na PR- 444, próximo ao pedágio de Arapongas, onde por volta das 10h30 desta segunda-feira haviam filas nos acostamentos dos dois sentidos, somando aproximadamente 40 caminhões.

Também foram definidos pontos de concentração, como postos de combustível e entroncamentos rodoviários. Em Maringá, caminhoneiros estão paralisados em frente à sede do Grupo G10, próximo à saída para Astorga.

A pauta de reivindicações em todo o Brasil se constitui, basicamente, na redução do preço do óleo diesel e da carga tributária; e isenção do pedágio para eixo suspenso em rodovias estaduais e federais.

Manifestante é atropelado e morre em Paranavaí

Um manifestante foi atropelado no começo da tarde desta segunda-feira (21/5) na BR-376, em Paranavaí. José Roberto Eredia Andreo, 54 anos, foi atingido por um caminhão-guincho.

Ele chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado à Santa Casa de Paranavaí, onde faleceu no final da tarde.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o motorista do caminhão-guincho relatou que fazia uma manobra de retorno quando teria se assustado com pessoas que supostamente atiravam pedras contra o caminhão que estava imediatamente à sua frente.

Ele então acelerou para deixar o local, quando atropelou o manifestante. O motorista do caminhão permaneceu no local, foi identificado e fez o teste do bafômetro. O resultado foi negativo.

Reclamação é com ações do governo federal

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Autônomos de Maringá (Sindicam), Osvaldo Reginato, disse que são cerca de 30 caminhoneiros reunidos na sede do G10.

Nosso pedido é simples, nada extraordinário. A maior reclamação é com o governo federal, que não ouve nossos pedidos. Apenas com uma manifestação massiva podemos chegar lá”, disse.

Para ele, as reivindicações começam pelos autônomos, mas afetam todo o setor de transportes. “As empresas já estão dando apoio e, se a situação continuar como está, ficará insustentável para qualquer um”, completou o presidente do Sindicam.

Empresa de transporte apoia, mas não paralisa

O vice presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Maringá (Setcamar) e representante do Grupo G10, Cláudio Adamuchio, afirmou que a empresa considera as reivindicações justas e apoia o movimento, mas que não há condições de aderir à paralisação, devido a contratos firmados.

“Apoiamos o movimento, que tem causas justas e necessárias. Empresas estão fechando no prejuízo por não conseguirem acompanhar o aumento dos combustíveis. Não iremos participar obstruindo rodovias, mas também não forçaremos a passagem em uma manifestação”, falou Adamuchio.

Veja os pontos com manifestações

As polícias rodoviárias Federal (PRF) e Militar (PRE) atualizaram a lista dos pontos de paralisação às 11h30 desta segunda-feira (21/5) e, em nenhum, há interdição total da rodovia.

Há, no máximo, uma faixa bloqueada e trânsito para veículos leves, emergenciais e perecíveis. É perceptível um menor número de caminhões nas rodovias estadual e federal entre Londrina e Maringá não manhã desta segunda-feira.

Segundo manifestantes que se encontravam impedindo a passagens de caminhões, inclusive os com cargas vivas e produtos perecíveis no km 8 da PR-444, “o pessoal não saiu para a estrada porque sabia dos bloqueios”. São os seguintes os locais de concentração:

Rodovias federais

  • BR-116, km 67, em Quatro Barras
  • BR-277, km 6, em Paranaguá
  • BR-277, km 340, em Guarapuava
  • BR-376, km 502, em Ponta Grossa
  • BR-376, km 257, em Califórnia
  • BR-376, km 502, em Ponta Grossa
  • BR-153, km 43, em Santo Antônio da Platina
  • BR-153, km 158, em Mandaguaçu
  • BR-153, km 112, em Ibaiti
  • BR-163, km 86, em Capanema
  • BR-373, km 247, em Guamiranga
  • BR-373, km 264, em Prudentópolis
  • BR-373, km 478, em Coronel Vivida
  • BR-277, km 535, em Ibema
  • BR-376, km 292, em Mauá da Serra
  • BR-277, km 584, em Cascavel
  • BR-376, km 109, em Paranavaí
  • BR-376, km 140, em Nova Esperança
  • BR-369, km 79, em Santa Mariana
  • BR-277, km 117, em Campo Largo
  • BR-277, km 635, em Céu Azul
  • BR-153, km 330, em Irati

Rodovias estaduais

  • PR-463, km 49, Colorado-Paranacity em andamento
  • PR-323, km 303, Cruzeiro do Oeste – Umuarama, em andamento
  • PR-444, km 08, Arapongas
  • PR-489 km 21, Xambrê – Umuarama
  • PR-317 Av Morangueira 3652 (Trecho municipal) Maringá- Iguaraçu
  • PR-444 km 08 Arapongas (fora da área da 4 cia)
  • PR-323 km 183 Trevo de Doutor Camargo

Primeira atualização feitas às 15h20 desta segunda-feira (21/5/2018), com a inclusão de novos pontos de bloqueio nas rodovias estaduais do Paraná.

Segunda atualização feita às 18h45 desta segunda-feira (21/5/2018), com a inclusão da notícia da morte de um manifestante em Paranavaí e de novos pontos de bloqueios nas rodovias federais. 



Estudante de Química da UEM é morto em atentado em Maringá. Mais dois jovens ficaram feridos

O jovem estudante morreu na Rua Mandaguari esquina com a Rua Bragança, na zona 7.

Vítima do atentado em Maringá, professor Mima fazia Mestrado na UEM e dava aulas em cursinho de Apucarana

No Facebook, jovem se apresentava com a frase: "Eu tenho um sonho... Isso é tudo que preciso..."

Autor do ataque em pensionato de Maringá conhecia as vítimas e morava na casa há mais de um ano

O enterro da vítima será nesta segunda-feira (18/3), às 15h, no Cemitério Municipal de Conchas, no interior de São Paulo.

Agência do Trabalhador de Maringá abre 153 vagas. Tem dez para operador de caixa

Cargos com maior número vagas são de montador de estruturas metálicas, com 16, e soldador, com 11.

Alvo de protestos na Flim de 2018, Márcia Tiburi diz que decidiu deixar o país quando esteve em Maringá

Houve uma grande mobilização nas redes sociais em Maringá quando Márcia Tiburi esteve na Flim de 2018.

Estudante de Química da UEM é morto em atentado em Maringá. Mais dois jovens ficaram feridos

O jovem estudante morreu na Rua Mandaguari esquina com a Rua Bragança, na zona 7.

Vítima do atentado em Maringá, professor Mima fazia Mestrado na UEM e dava aulas em cursinho de Apucarana

No Facebook, jovem se apresentava com a frase: "Eu tenho um sonho... Isso é tudo que preciso..."

Autor do ataque em pensionato de Maringá conhecia as vítimas e morava na casa há mais de um ano

O enterro da vítima será nesta segunda-feira (18/3), às 15h, no Cemitério Municipal de Conchas, no interior de São Paulo.

Agência do Trabalhador de Maringá abre 153 vagas. Tem dez para operador de caixa

Cargos com maior número vagas são de montador de estruturas metálicas, com 16, e soldador, com 11.

Alvo de protestos na Flim de 2018, Márcia Tiburi diz que decidiu deixar o país quando esteve em Maringá

Houve uma grande mobilização nas redes sociais em Maringá quando Márcia Tiburi esteve na Flim de 2018.

Empregos em Maringá

Últimas vagas de Empregos

GUIAS