56% dos trabalhadores em obras da construção civil em Maringá estavam sem carteira assinada em 2017. Comitê atua para reduzir irregularidade

Por: - 3 de maio de 2018
Construção civil e indústria recebem autorização para retomada das atividades / Pólen Comunicação

Em 2017, o número de trabalhadores da construção civil sem registro trabalhando em obras em Maringá era de 56,2%. Das 445 obras vistoriadas, 348 pertenciam a pessoas físicas e 97 a pessoas jurídicas. No total, somavam 2.641 trabalhadores, sendo que 1.484 atuavam sem registro.

A porcentagem cresceu ante 2016, quando 46,1% trabalhadores foram encontrados atuando sem Carteira de Trabalho assinada. Os números são do Programa de Incentivo à Formalidade no Mercado de Trabalho, que vem obtendo resultados positivos: dos 1.484 trabalhadores que estavam sem registro em 2017, após as visitas 559 foram formalizados.

A técnica em segurança do trabalho, membro no Comitê responsável pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná – Região Noroeste, Marisete de Fátima Volpatto Luiz, explica que durante as vistorias é feito um check-list que inclui a verificação de mais de 80 itens.

Além da informalidade do trabalhador, afirma ela, são constatadas com frequência, a falta de equipamentos de proteção coletivos e individuais, a ausência de acompanhamento do responsável técnico e da existência de condições degradantes das áreas de vivência.

Em grande parte, as obras são desprovidas de instalações sanitárias, vestiários e local para refeição adequados para os trabalhadores, conforme obrigam as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego. Explica Marisete:

Vamos até a obra e encontrando inconformidades, é deixada uma notificação com o responsável e determinamos um prazo de cerca de 10 dias para a regularização. Normalmente, os responsáveis atendem as observações do Comitê.

Problema é maior nas obras de pessoas físicas

Pelo histórico de visitas realizadas ao longo dos anos, a técnica em segurança diz que é possível destacar que as obras de pessoas físicas concentram a maioria dos problemas. O superintendente do Serviço Social do Sindicato da Indústria da Construção Civil acrescenta:

As irregularidades são encontradas em maior quantidade nas obras de construção de residências e barracões, com até cinco trabalhadores.

O Programa de Incentivo à Formalidade na Indústria da Construção, em funcionamento desde 2006, é de nível estadual e congrega 22 entidades, sendo a sua gestão na visita às obras efetuadas por membros dos Sinduscons, da Fetraconspar e do Crea-PR, nas bases regionais dessas entidades no estado.

No Paraná, desde a sua criação até o ano 2017, segundo o Comitê, houve aumento de 18% na formalidade depois da implantação do programa, contemplando mais de 14 mil trabalhadores registrados, em um total de 13,3 mil obras visitadas.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.