Após reassumir gestão do Parque do Japão, prefeitura decide fechar temporariamente o local à visitação

Por: - 7 de novembro de 2017
Iluminação de Natal no Parque do Japão em dezembro de 2009; festa se tornou tradicional e parque recebe cerca de 70 mil visitantes neste período / Prefeitura de Maringá

A Prefeitura de Maringá, que reassumiu a administração do Parque do Japão na segunda-feira (6/11), anunciou que o parque será fechado temporariamente. A medida é necessária, segundo a diretora executiva da secretaria de Serviços Públicos e coordenadora do processo de transição, Maria Lígia Guedes, para permitir a reorganização administrativa.

Inicialmente, o parque ficará fechado desta quarta-feira (8/11) e será reaberto no feriado da Proclamação da República, no dia 15 de novembro.

Além da definição de um cargo comissionado e da criação de um conselho consultivo, a administração municipal informou que a segurança da área, antes terceirizada, passará a ser feita, ao menos provisoriamente, pela Guarda Municipal.

A concessão do restaurante, salão de eventos e demais espaços ainda será analisada pela administração. Durante o fechamento o parque passará por limpeza, ajustes na iluminação, reinstalação da rede telefônica e outras intervenções.

Em nota divulgada à imprensa nesta terça-feira (7/11), a prefeitura afirmou que irá criar um conselho consultivo, junto à colônia japonesa, para garantir a preservação das características arquitetônicas e paisagísticas do local.

Uma das preocupações dos ex-funcionários do parque, muitos decidiram ajudar como voluntários na transição, é com a preparação para o Natal.

Dívidas motivaram mudanças no Parque do Japão

Em 2014, após abrir um processo de licitação o Parque do Japão passou a ser administrado por uma Oscip. No contrato, foi definido que nos dois primeiros anos o repasse do município para a Oscip seria de R$ 44 mil ao mês e no terceiro e no quarto anos seria de R$ 40 mil e R$ 36 mil. A concessão poderia se estender por 30 anos.

Não era previsto cobrança de ingresso para entrada e o parque teria que ficar aberto por ao menos cinco dias por semana. A renda viria da cobrança por serviços, atividades e ações que acontecessem no local. O objetivo era que o parque pudesse ser autossustentável.

O jornal São Paulo Shimbun divulgou em julho que a administração passava por grave crise financeira, com dívidas de R$ 400 mil e muitas contas pagas por empresários e comunidade. Seria necessário um repasse mensal de R$ 80 mil, por parte da prefeitura, para garantir a sustentabilidade.

Segundo a diretora da Semusp, Maria Lígia Guedes, o aumento de repasse seria inviável, pois iria contrariar as normas da licitação. “A única forma de fazer esse aumento seria com uma nova licitação”, explica.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.