PRF derruba fábrica clandestina de remédios em Maringá; tinha medicamento para curar de tudo

Por: - 27 de outubro de 2017
Policial faz a apreensão e contagem dos produtos apreendidos em 'almoxarifado' de fábrica clandestina de remédios em Maringá / Polícia Rodoviária Federal

Depois de apreender uma nota fiscal com o endereço da fábrica, em fiscalização de rotina, quando foram apreendidas duas caixas de medicamentos sem registro, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) estourou na manhã desta sexta-feira (27/10) uma fábrica clandestina de remédios em Maringá.

Mais de 7,8 mil medicamentos irregulares foram apreendidos e um casal foi preso em flagrante. Os nomes não foram divulgados pela PRF, na notícia divulgada pelo setor de imprensa.

Com apoio de agentes da Vigilância Sanitária de Maringá, os policiais encontram remédios para vários males. Havia fórmulas para dores de cabeça, de estômago, intestino preso, autoestima, pressão e muitos outros.

Todos os medicamentos eram manipulados sem qualquer autorização dos órgãos de saúde pública e nem alvará municipal. Nenhum dos medicamentos apreendidos tem registro na Anvisa e todos trazem indicações terapêuticas em seus rótulos, o que configura crime.

Os policiais abordaram inicialmente uma mulher, de 34 anos, que disse estar sozinha no imóvel. O marido, de 39 anos, ficou escondido dentro de um cômodo no que seria uma espécie de almoxarifado, a maior parte das apreensões foi feita ali.

Os agentes da PRF e da Vigilância Sanitária encontraram dezenas de milhares de rótulos, impressos e recortados, além de equipamentos artesanais destinados a encapsular e a contar as cápsulas.

No imóvel havia ainda uma grande quantidade de frascos vazios, sacos de insumos variados e produtos em fase de preparação.

O casal responderá pelo crime previsto no artigo 273 do Código Penal, que prevê pena de dez a 15 anos de prisão para quem, por exemplo, mantém em depósito, vende ou distribui medicamentos sem registro.

A PRF encaminhou a ocorrência para a 9ª Subdivisão da Polícia Civil em Maringá.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.