Parque do Japão apresenta resultado de melhoramento genético

O Parque do Japão apresenta amanhã a partir das 10 horas, os mais de 150 alevinos de carpas ornamentais reproduzidos em laboratório do Departamento de Zootecnia da UEM. Há pouco mais de um ano, pesquisadores retiraram do lago do parque 20 peixes, com pureza de raça, visando um melhoramento genético.

Os alevinos estarão em seis aquários (ao lado do restaurante do parque) e ficarão expostos para o público até as 19 horas. Às 10 horas no domingo, serão introduzidos no lago junto com seus genitores. Das 20 carpas retiradas pela UEM, entre machos e fêmeas, formaram-se seis casais que se reproduziram.
“Ainda que das carpas retiradas duas não sobreviveram e outras seis não se cruzaram como o esperado, o resultado superou nossas expectativas”, avaliou o professor do Departamento de Zootecnia da UEM, Ricardo Pereira, que estima uma população de mais de 1,5 mil carpas de 20 linhagens no lago e que o melhoramento genético será permanente.
Hoje pela manhã equipes da Secretaria de Serviços Públicos e do Departamento de Zootecnia da UEM promoveram a despesca de carpas para novos cruzamentos. Também foram retiradas tilápias, lambaris e cascudos – espécies invasoras que competem por alimentos e podem consumir ovas das carpas.
Além do melhoramento genético, o Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura (Nupélia) despescará peixes moribundos ou que apresentam lesões e outros sintomas de doenças para analisar em laboratório a presença de ectoparasitas, como fungos e bactérias. Já o curso de agronomia do Unicesumar realizará o controle de ph e qualidade da água do lago.
Desde 2008, quando o parque recebeu 70 carpas coloridas, incluindo a branca com traços azuis – doadas por um banco que havia recebido os peixes da Casa Imperial do Japão – o cruzamento indiscriminado levou a perda da uniformidade de cor e posição de manchas das carpas, uma das principais características das ornamentais.
A diretora executiva do Parque do Japão, Maria Lígia Guedes, acompanhou o transporte dos peixes e destacou que a exposição dos alevinos visa sensibilizar os visitantes para o cuidado com a flora e fauna. “Infelizmente encontramos varas de pesca que é proibida, embalagens e garrafas de água que prejudicam a saúde dos animais. Contamos com a colaboração da comunidade para uma atenção especial às carpas que é um grande símbolo do parque”, enfatizou. (PMM)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>