Orivaldo Robles (1941-2019)

Faleceu na manhã de hoje o monsenhor Orivaldo Robles, aos 77 anos de idade. A notícia foi dada há pouco na Rádio Colmeia, que pertence à Arquidiocese de Maringá. O velório será na Catedral a partir da início da noite. Ainda não há detalhes sobre o sepultamento.

Filho de Antônio Robles (1914-1982) e de Luzia Gonsales Robles (1916-2010), monsenhor Orivaldo nasceu em Polôni (SP) em 6 de maio de 1941. Estudou em Jales e Poloni e ingressou no Seminário Nossa Senhora da Paz, em São José do Rio Preto, em 1953. Com a mudança da família para o Paraná (1957), veio concluir o antigo segundo grau no Seminário São José, em Curitiba. Ainda em Curitiba cursou Filosofia e Teologia. Foi ordenado padre por dom Jaime Luiz Coelho, em Maringá, em 7 de dezembro de 1966. Tem o curso de Filosofia reconhecido pela USP.
Lecionou no Colégio Estadual Dr. Gastão Vidigal e no Instituto de Educação, em Maringá, assim como em estabelecimentos oficiais de ensino de Paranacity (Ginásio e Escola Normal), quando pároco daquela cidade (1970-72).
Por quase onze anos trabalhou como pároco de Marialva, de onde saiu no início de 1983 para assumir, por seis anos, o cargo de reitor do Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Glória – Instituto de Filosofia de Maringá. Em Bogotá (Colômbia) e em Toluca (México) participou do IV e do V Cursos para Formadores, promovidos pelo Devym – Departamento de Vocaciones y Ministerios -, do Celam – Conselho Episcopal Latino-americano.
Em 22 de janeiro de 1989 assumiu a Paróquia Santa Maria Goretti, em Maringá, onde trabalhou por mais de 20 anos. Por ocasião do cinquentenário da Diocese de Maringá, em 2007, publicou o livro “A Igreja que Brotou da Mata – Os 50 anos da Diocese de Maringá”, com 352 páginas, que narra a história da Igreja Católica, desde 1610, no Norte do Paraná, especialmente na região de Maringá. Em 2012 teve publicado o livro “Celeiro Desprovido”, com 270 páginas, contendo 118 crônicas e artigos escritos desde 1995.
Desde 22 de agosto de 2009, trabalha na Catedral Metropolitana de Maringá, exercendo a função de vigário paroquial. O padre Orivaldo colaborou com o blog, que publicava seus artigos semanalmente.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

Um pitaco em “Orivaldo Robles (1941-2019)

  1. Em minha chegada a Maringá, há vinte anos atrás, estava só e no na missa na Igreja Santa MAria Goreti e no evangelho o Padre Orivaldo comentou que a pior solidão é aquela entre multidões. Eu me encontrava nessa situação. A partir desse momento minha admiração por ele foi gratuita. Batizou meus meninos. Participou da Crisma e crescimento deles. Acompanhei sua trajetória nesse pequeno tempo.
    Maringá perde muito. Seus padres amigos perdem.
    Mas estará vivo no coração de meus familiares.
    Deus o abençoe e o receba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>