Elo perdido na saúde

Está na Crusoé:

Causou revolta entre médicos a decisão do Ministério da Saúde de trocar, tempos atrás, o fornecedor de um remédio usado na rede pública para o tratamento de crianças com leucemia. De repente, sob a administração do notório PP, a pasta decidiu que passaria a comprar o medicamento de um fabricante da China, sem licitação e por intermédio de uma empesa sediada no Uruguai que tem como proprietário uma venezuelana.

O caso, revelado pelo programa Fantástico, da Rede Globo, originou uma investigação do Ministério Público. O que nem os procuradores sabiam até aqui é que o representante da empresa uruguaia no Brasil, responsável por fazer a ponte com a burocracia do ministério na gestão de Ricardo Barros, era ex-funcionário de uma companhia metida com o cartel dos trens em São Paulo e ligada a doleiros da capital paulista. Detalhe: o chefe do setor de compras da gestão de Barros a ocasião era um apadrinhado de caciques do PP que, antes, havia passado justamente pela CBTU, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos, outro feudo do partido. Terá sido coincidência? Logo após a troca do fornecedor do medicamento, especialistas denunciaram que o novo produto, que não tinha certificação nem sequer na China, onde é fabricado, poderia colocar em xeque o tratamento e aumentar ainda mais os riscos à saúde dos pequenos pacientes. Se é o mesmo o que parece, fez-se em Brasília um negócio que, ao fim e ao cabo, pôs em risco a vida de crianças em nome de interesses suspeitos. Há mais, portanto, para o MP investigar.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

2 pitacos em “Elo perdido na saúde

  1. O mesmo aconteceu em relação ao medicamento SOLIRIS utilizado por pacientes portadores de HPN, conforme reportagem do Profissão Repórter. Quiseram mudar o fornecedor, ocorreu a falta do medicamento e pacientes morreram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>