Em defesa da Semulher

Leitor, que se identificou como Feministo, a quem agradeço pela atenção e gentileza, fez um comentário, reproduzido abaixo, sobre a questão da Secretaria da Mulher.

Reconheço a importância da Semulher, mas bastaria uma diretoria, vinculada à Sasc, por exemplo, bem enxuta, e as mulheres estariam perfeitamente atendidas. Pesquisando os balancetes notamos que a Semulher gastou até setembro, em números redondos, R$ 1.164.000,00. dos quais apenas R$ 149.000,00 não foram para pagamento de pessoal e manutenção da secretaria. O investimento é de apenas 12% na atividade fim, teoricamente, confirmando que as mulheres mais beneficiadas são as servidoras, comissionados ou não.
Akino Maringá, colaborador

(*)’Akino, pq existe Secretaria da Mulher? Aliás pra que órgãos e conselhos voltados para a Mulher? (E creio que seja possível incluir, igualdade racial, idoso…e tantos outros!?)Talvez pq os “homens” não criem políticas públicas para essa população?!Vivemos em uma sociedade patriarcal/machista e com belos exemplares misóginos que promovem a desigualdade, a discriminação e a objetificação das mulheres! E a idéia de se ter uma secretaria “para” mulheres é justamente combater isso por meio de políticas públicas que contribuam em um processo de igualdade, por meio da valorização da mulher e sua inclusão no desenvolvimento social, econômico, político e cultural.Agora se aqui o trabalho não está a contento, se o que vemos é um guarda roupa com cabides, penso que o direcionamento seja a Gestão e não questionar a utilidade da “Secretaria da Mulher”. Sempre será necessário, desde que seja efetivo!Procure por exemplo:– Aracy Reis-– Fórum de Mulheres de Maringá,-– Ong Maria do Ingá,– Conselho Municipal da Mulher;Inclusive, Maringá tem uma Conselheira Nacional do Direitos da Mulher (grande coisa né!?)! Troque uma ideia com esse pessoal! Desapegue-se da construção patriarcal! Vivemos em uma sociedade voltada para os homens, quando deveria ser igualitária!Pense sobre isso: Qual a necessidade da Lei Maria da Penha? Ou qualificar um homicídio em Feminicidio? Afinal, crime é crime! Assassinato é assassinato! Pq criar uma lei “especifica”?! Pq uma secretaria específica um conselho específico?!-Abraços! (sic)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

3 pitacos em “Em defesa da Semulher

  1. Vivemos os tempos da vitimização; todos se apresentam como vítimas, e aí divide-se a população em grupos rotulados, e depois querem que todos se unam. Dividir é desunir. Separar é desunir. Ora, os direitos só são iguais quando todos somos iguais, como diz a Lei. E a conquista disso depende de cada indivíduo e não de grupelhos. Quando um grupo quer se destacar de alguma forma quanto aos seus direito, automaticamente gera o mesmo sentimento em outros grupos. Com certeza esse não é o caminho para a paz social. Por isso que a corda sempre está tinindo de tão esticada,… e uma hora arrebenta mesmo. A união não se faz com separação. Parece óbvio, e é mesmo, só que poucos se dão conta dessa obviedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>