Ovadas no casamento de Maria Victoria foi protesto de cabos eleitorais

De Fernando Tupan:

Em julho do ano passado, os convidados para o casamento da deputada estadual Maria Victoria (PP) foram recepcionados com uma chuvarada de ovos na entrada da Igreja da Ordem, no centro histórico de Curitiba.

Acreditava-se que a manifestação era organizada por petistas contra o apoio de Ricardo Barros (PP), pai da noiva, ao presidente Michel Temer (MDB) e ao ex-governador Beto Richa (PSDB).
Só que não.
O movimento foi devido ao não pagamento de serviços prestados pela candidata a vereadora Priscila Paes (PHS) que fazia parte da aliança Renova Curitiba (PP/SD/PR/PMB/PHS/PRTB), que apoiava a candidatura da progressista, filha da governadora Cida Borghetti, à Prefeitura de Curitiba.
O grupo também divulgou a candidatura de Maria Victoria, que acabou sendo responsabilizada pelos articuladores do protesto.
No site do TSE, Priscila aparece que não teve despesa nenhuma de campanha e as contas aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

3 pitacos em “Ovadas no casamento de Maria Victoria foi protesto de cabos eleitorais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>