Não haverá recall

Por Alfredo Guarischi:

Temas ligados à saúde frequentemente são manchetes, algumas boas e outras ruins. Semana passada um grande e respeitado laboratório farmacêutico multinacional emitiu um recall mundial para um dos seus produtos mais vendidos para tratar hipertensão arterial, a valsartana, ao serem detectados lotes do medicamento contaminados com N-nitrosodimetilamina, que pode causar câncer.

A Agência Europeia de Medicamentos descobriu que 2.300 lotes de valsartana, fabricados na China e distribuídos na Alemanha, Suécia, França, Canadá, entre 18 outros países europeus, sofreram essa contaminação, possivelmente de forma involuntária, decorrente de mudança do seu processo industrial.
Esse fato é preocupante e mostra a seriedade de entidades vigilantes, bastante diferente ao absurdo que vem ocorrendo no Brasil. Contrariando a recomendação da Organização Mundial da Saúde de garantir a qualidade dos medicamentos, o MS vem importando e distribuindo, desde 2017, para crianças portadoras de leucemia linfocítica aguda (LLA), uma asparaginase chinesa, mais barata, que simplesmente não foi estudada nessa patologia pediátrica, em substituição ao produto usado aqui e em todo o Primeiro Mundo, por anos, com sucesso.
A asparaginase é um medicamento fundamental no tratamento da LLA, e por isso oncologistas pediatras brasileiros, com a ajuda da comunidade científica internacional, realizaram, em três diferentes laboratórios, estudos que detectaram grande quantidade de proteínas estranhas nessa asparaginase, o que compromete a qualidade do medicamento. Posteriormente, testes comprovaram baixa concentração do produto chinês e elevados níveis de anticorpos antiasparaginase nos animais de experimentação. Finalmente o MS é proibido pelo Ministério Público Federal de importar esse produto, mas “lava as mãos” e transfere sua responsabilidade pela importação do produto de qualidade comprovada para os subfinanciados hospitais credenciados com o SUS. Diante das reclamações dos hospitais e pacientes, alega que a falta do medicamento é porque o MS está proibido de continuar sua importação. É uma completa inversão dos fatos.
O equívoco do MS tem agora mais um novo capítulo, com a divulgação do estudo do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, que analisou o resultado do tratamento de 20 crianças. Foi detectada a atividade do medicamento em apenas 2% das que receberam a droga chinesa, ao passo que, com o uso da asparaginase comprovadamente eficiente, essa percentagem chega a 75%.
É extremamente preocupante a postura do MS de decidir pela lei do menor preço e ignorar a necessidade da comprovação da eficácia e segurança de produtos farmacêuticos, entre outros. Como ouvi de uma pesquisadora, “Quem utiliza uma droga sem testes clínicos comete um enorme equívoco e será julgado pela História, a qual já está sendo tristemente protagonizada por mais de 4 mil vítimas dessa asparaginase chinesa”.
Para esses pequeninos pacientes não haverá recall.
________
(*) Alfredo Guarischi é médico. Publicado originalmente em O Globo.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>