Minerim

Do mais recente Cheng-Pong:

Um paulista passa pelo interior de Minas e ao ver um minerim pitando o cigarrim decide gozá-lo:
– Oi, como se chama?
– Tonho…

– Eu também me chamo Antonio. Qual a sua profissão?
– Sou músico – responde o caipira.
– Eu também sou músico. E o que você toca?
Desconfiado, o minerim continua a responder:
– Toco trompete e ocê?
– Eu também toco trompete. Uma vez fui à Festa de Nossa Senhora dos Remédios e toquei tão bem que a Senhora desceu do andor e começou a chorar.
O minerim já percebendo que o sujeito estava gozando com a cara dele, responde:
– É mêrmo? Eu tamém fui uma vez à Festa do Senhor dos Passos e toquei tão bem, tão bem, que o Senhor largou a cruz, agarrou-se ni mim e disse: “Ah, grande Tonho! Tocou melhor que o metido do paulista que fez a minha mãezinha chorar”.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>