Fux homologa delação de empreiteiro que envolve
Ricardo Barros e Cida Borghetti

Ministro Fux

A notícia surgiu ontem e foi confirmada pelo site Contraponto junto a três fontes: o ministro Luiz Fux, do STF, homologou os termos de delação do dono da empreiteira Valor, Eduardo Lopes de Souza. Ele fez 25 depoimentos a respeito da Operação Quadro Negro; um deles envolve o ministro Ricardo Barros e a vice-governadora Cida Borghetti. Barros, apontado como “quem mandava”, teria negociado uma mesada de R$ 15 mil para seu cunhado em troca de uma nomeação na vice-governadoria.

O empresário contou como participou de um grande esquema de arrecadação para beneficiar agentes públicos e financiar campanhas políticas, incluindo a da reeleição de Beto Richa. Dos R$ 20 milhões que teria recebido para construir escolas, pelo menos R$ 12 milhões repassou para os beneficiários.
Cumprida a elaboração, apresentação e aceitação dos termos pela Procuradoria-Geral da República, a advogada Rose Baggio fará a defesa do empreiteiro na justiça.
Eis o trecho da delação que cita o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e a vice-governadora Cida Borghetti e seu irmão, Juliano:

“Eu conheço o Juliano Borghetti desde a primeira campanha do Cássio Taniguchi à prefeitura de Curitiba. Nós dois trabalhamos na campanha e a partir de então ficamos amigos. No ano de 2014 ele me procurou e disse que, apesar de ser irmão da vice-governadora do estado, Maria Aparecida Borghetti (Cida Borghetti), estava impossibilitado de assumir cargos públicos no governo, por estar com sua imagem desgastada em razão de uma briga de torcidas em que tinha se envolvido na cidade de Joinville/SC, fatos que tiveram repercussão nacional.
Disse que, entretanto, foi-lhe dado o direito à nomeação de um cargo na vice-governadoria, com salário de aproximadamente R$ 15.000,00 (quinze mil reais) e me propôs a “venda” dessa nomeação. Disse que eu poderia colocar meu filho Gustavo no cargo e em contrapartida eu pagaria ao juliano uma quantia “por fora”.
Paralelamente, a Mari tinha comentado comigo que o Edmundo Rodrigues da Veiga Neto, diretor geral da Seed, estava querendo tirá-la de lá, e pediu que eu conversasse com o Fanini para conseguir uma função comissionada para ela em outro setor do governo.
Além disso, eu sabia que a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) era da “cota” da família Barros (a vice-governadora é casada com o deputado federal e atual ministro da Saúde Ricardo Barros). Eu tinha a informação de que as licitações da sema, que até então eram realizadas na Secretaria de Infraestrutura e Logística (Seil), passariam a ser feitas pela própria Sema.
então, com base em todas essas informações, eu fiz a seguinte proposta ao Juliano Borghetti: eu indicaria a Mari para aquele cargo que ele me ofereceu na vice-governadoria. na sequência eles providenciariam a lotação dela na Sema, onde deveria ser nomeada presidente da futura comissão de licitação. E então eu pagaria a ele a quantia de R$ 10.000,00 (dez mil reais) por mês.
Como eu já estava acertado com o Maurício Fanini na Fundepar, eu teria a possibilidade de ampliar meus negócios no governo, entrando em outra secretaria. Assim, eu resolveria também o problema com a Mari, que vivia me pedindo dinheiro, e teria um acréscimo salarial significativo, o que poderia me aliviar um pouco também.
O Juliano, então, disse que tinha que falar com o deputado Ricardo Barros, pois era quem “mandava”. Algum tempo depois marcamos reuniões na vice-governadoria e no diretório estadual do Partido Progressista (PP), que fica na rua Vieira dos Santos, próximo ao Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba/PR.
Numa das reuniões no diretório do PP o deputado Ricardo Barros disse que concordaria com a proposta, mas era para eu pagar R$ 15.000,00 (quinze mil reais) mensais para o juliano.
Na entrada do diretório à direita ficava uma sala usada pelo Juliano, mas as reuniões eram na sala usada pelo deputado Ricardo Barros, no final do corredor à esquerda. Nessas reuniões ele disse que colocaria a Mari na Sema e que, em relação aos contratos que eu ganhasse lá, a gente “acertava” posteriormente, na época da campanha. Ele disse que não gostava de receber valores ao longo da execução das obras. batemos o martelo e a mari foi nomeada num cargo na vice-governadoria.
Alguns dias depois o Juliano me disse que a vice-governadora Cida Borghetti queria falar comigo. Nós fomos até o gabinete dela na vice-governadoria e ela me agradeceu pessoalmente por ter resolvido a situação do irmão dela. A Mari comentou comigo que o Ricardo Barros a levou pessoalmente até a sema e a apresentou para o então secretário. Como aquela mudança para realização das licitações da Sema ainda não tinha ocorrido, a Mari permaneceu na vice-governadoria. Depois de um tempo ela me pediu para mudar para a Fundepar, enquanto a situação da Sema não se resolvia. mas como a Fundepar também não estava em funcionamento, continuou na vice-governadoria.
A nomeação da Mari na vice-governadoria ocorreu no começo do ano de 2015 e a partir de então eu paguei para o Juliano Borghetti os R$ 15.000,00 (quinze mil reais) mensais. Ele ia buscar o dinheiro comigo lá na Valor. Aconteceu que, cerca de três meses depois, o governador retirou alguns cargos da vice-governadoria, um dos quais exatamente o da Mari. Eu conversei com o Juliano e disse que suspenderia os pagamentos até que essa situação fosse resolvida.
Logo em seguida começaram os problemas das obras da Seed e não retomei os pagamentos para ele. No total, entreguei ao Juliano Borghetti a quantia de R$ 45.000,00 (quarenta e cinco mil reais).
Durante as tratativas, conversei umas três ou quatro vezes com o deputado Ricardo Barros. Contei para ele o problema que estava tendo entre o Mauricio Fanini e o Jaime Sunye, sobre quem assumiria a Fundepar, e pedi que ele fosse conversar com o então secretário chefe da Casa Civil Eduardo Sciarra para tentar ajudar. Depois ele me contou que teve a conversa e que “os caras” queriam nomear o Sunye para a presidência da Fundepar. Em seguida, fomos falar com o Fanini na Sude, ocasião em que o deputado ricardo barros sugeriu a ele que abrisse mão da parte da merenda e ficasse apenas com as obras de engenharia da Fundepar.”
Sendo todo o exposto expressão da verdade, firmo a presente, juntamente com o declarante, em duas (02) vias digitadas no anverso”.

Confira a íntegra da delação:

Angelo Rigon

7 pitacos em “Fux homologa delação de empreiteiro que envolve
Ricardo Barros e Cida Borghetti

  1. “…Se alguém ensina alguma outra doutrina, e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade,
    É soberbo, e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas,
    Perversas contendas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho; aparta-te dos tais.
    Mas é grande ganho a piedade com contentamento.
    Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele.
    Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.
    Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína.
    Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.
    Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão.
    Milita a boa milícia da fé, toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas.
    Mando-te diante de Deus, que todas as coisas vivifica, e de Cristo Jesus, que diante de Pôncio Pilatos deu o testemunho de boa confissão,
    Que guardes este mandamento sem mácula e repreensão, até à aparição de nosso Senhor Jesus Cristo;
    A qual a seu tempo mostrará o bem-aventurado, e único poderoso Senhor, Rei dos reis e Senhor dos senhores;
    Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém.
    Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos;
    Que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis;
    Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam se apoderar da vida eterna…”
    (1 Timóteo 6:3-19)

  2. INVESTIGADOR NILSON diz:

    Essa é apenas mais uma da tal família barrenta! Muita sujeira em vários lugares que se mexe. E ainda tem prefeito que se vende e encobre, em detrimento dos interesses do cidadãos.
    AUDITORIA e CADEIA!
    Devolvam o dinheiro desviado.

    NILSON – LAVA BARRO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>