Até quando?

Primeiro levaram os negros. Mas não me importei com isso. Eu não era negro.
Em seguida levaram alguns operários. Mas não me importei com isso. Eu também não era operário.

Depois prenderam os miseráveis. Mas não me importei com isso. Porque eu não sou miserável. Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego. Também não me importei. Agora estão me levando. Mas já é tarde. Como eu não me importei com ninguém Ninguém se importa comigo.
Com este poema de Bertolt Brecht e sem querer fazer analogia com situação que está acontecendo numa certa cidade da região da Amusep, conclamo à reflexão. Primeiro foi GF, depois AR. Em seguida, AM. Depois JM, AG e LFC. Agora é MH e UM. E vocês não estão se importando? Até quando, nobres colegas, aguardarão para tomar uma posição? O próximo poderá ser um ou todos os senhores. Falo por AM, que ficou sentido, pois nenhum dos senhores se importou quando, quase como num campo de concentração, fora jogado aos fornos. Felizmente sobreviveu, mas pode ser que outros não tenham a mesma sorte.
Akino Maringá, colaborador

Angelo Rigon

4 pitacos em “Até quando?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>