Pegue a circular

circular

Cezar Lima achou esta poesia, feita décadas passadas, do tempo em que morava em uma chácara defronte o Lar Betânia e ia a pé até a avenida Brasil para pegar a circular até o Posto do Maluf (Posto Santo Antonio) para trabalhar onde é hoje o Atacadão, na rua Fernão Dias):

Todos os dias,
bem cedinho,
no cochilo do levantar,
caminho nas ruas da vida
e vou pro ponto da circular.

São caras conhecidas,
desconhecidas,
sonolentas,
pachorentas,
maltrapilhas,
joviais,
que, no “por favor”,
“chegue, chegue”,
“um passinho pra frente”,
espremidos, aos solavancos
e travancos,
com dinheirinho contado a mão,
muitas vezes moedinhas,
vão para o trabalho,
pra escola,
pra algum lugar,
pra lugar nenhum.
Qualquer dia destes,
levante-se cedo também,
enfrente a chuva, a poeira, o sol,
o empurra,empurra.
o quase que cai,
a falta do dinheiro contado,
o resfolego do homem suado ao seu lado,
da mãe, preocupada
com o filho que ta pra nascer,
e sinta, homem normal,
como é duro
e lindo o seu VIVER.

Angelo Rigon


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>