Governo quer “ditadura da saúde”: refil de refri e saleiros proibidos

Sal

De Jones Rossi, na Gazeta do Povo:

É evidente que o consumo exagerado de sal e refrigerante são prejudiciais à saúde. Assim como o consumo exagerado de chocolate e uma infinidade de outros alimentos e bebidas. Mas não cabe ao governo chegar ao extremo de proibir o consumo, sob pena de penalizar não só quem consome de forma consciente, mas também toda uma cadeia produtiva.

Também fica clara a tentativa de estabelecer o que o psiquiatra americano Jonathan Metzl chama de “ditadura da saúde moderna” em seu livro “Against Health – How Health Became The New Morality” (Contra a saúde: como a saúde virou a nova moralidade), lançado pela editora da New York University em 2010 e ainda sem versão em português. Em entrevista ao site de Veja, Metzl afirmou que as pessoas se “tornaram tão obcecados por saúde que esqueceram o sabor da boa comida e as delícias de diferentes coisas. Nós esquecemos o conceito de prazer.”
Para Metzl, conforme ele afirma na mesma entrevista, as pessoas sentem a necessidade de controlar o próprio corpo porque elas têm medo. “Existem tantas coisas imprevisíveis – podemos desenvolver um câncer ou sofrer um acidente de carro – que é muito mais fácil nos iludir do que assumir nossa vulnerabilidade. As pessoas acham que se comermos as coisas certas controlaremos tudo.”
Há de se considerar outro importante fator. O poder público precisa agir levando em conta o bom senso, sem excessos e legalismos indevidos. É o que a Gazeta do Povo defende como o princípio da proporcionalidade: “quaisquer limitações às liberdades dos cidadãos têm de ser exceções e devem ser rigorosamente justificadas e, por isso, tem uma especial importância na proteção do ethos democrático.”

Leia aqui o artigo de Rodrigo Constantino sobre o tema, intitulado “Os “guardiões do estômago” e os “fascistas do bem”: o retrato de uma sociedade infantilizada”. (Foto: Revista Food Magazine)

Angelo Rigon


6 pitacos em “Governo quer “ditadura da saúde”: refil de refri e saleiros proibidos

  1. se esse ministro da saúde, que é engenheiro se preocupasse com o saneamento básico, água e esgoto a tida população do país. Mudaria a saúde da população.
    Agora esses detalhes, deixe para os nutricionistas.

  2. Fiscal da natureza diz:

    Caramelo 4, que é cancerígeno na Coca-Cola pode,né Ministro? Protetor solar que não protege nada, azeite extra virgem que não é azeite e muito menos virgem, pode, né Ministro? Chocolate que é pura banha com açúcar, requeijão com amido, pode, né Ministro? Remédios cheio de impostos pode, né Ministro?

  3. Medidas semelhantes já foram tomadas em vários outros países. No Chile e na Argentina, por exemplo, não há saleiros sobre as mesas dos restaurantes. O excesso de sal está ajudando a criar um país de hipertensos, e isto é de responsabilidade direta do Estado que é quem deve garantir a saúde da população. Equívoco é o Estado distribuir gratuitamente remédios para o controle da hipertensão e ao mesmo tempo não cuidar do consumo excessivo de sal.

  4. Tá certo o ministro, pois na reportagem que a BAND fez, ficou claro que tudo que é vontade as pessoas perdem o controle, vi muitos dizendo que normalmente tomam apenas um refrigerante, mas quando é a vontade tomam 3 ou mais, tá certo que temos outros problemas, mas não temo como se resolver tudo de uma vez, sal e açúcar são dois grandes males.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>