Vencimentos do reitor: UEM divulga nota de esclarecimento

Reitoria

A propósito da postagem “Reitores da UEL e da UEM ganham mais que prefeitos”, reproduzida ontem no blog, a Assessoria de Comunicação da UEM divulgou a seguinte nota de esclarecimento:

“É fato que o professor Mauro Luciano Baesso, atual reitor da Universidade Estadual de Maringá, recebe um salário bruto de R$ 34.622,37, conforme consta no Portal da Transparência da Universidade.

Dentro desse valor está inclusa a gratificação da função como reitor, que é R$ 10.953,29, sendo um benefício temporário, conforme estabelecido em lei, e em especial por ser um cargo que demanda responsabilidade administrativa e por ser o ordenador de despesa da instituição.
Gratificação à parte, cabe ressaltar que na composição do salário do professor Mauro Baesso há valores que são de natureza pessoal e, portanto, não são contabilizados para fins de comparação com o teto estabelecido pela lei. É esse o entendimento contido no parecer nº 280/2005 da Procuradoria Geral do Estado, com fundamento em posição pacificada pelo STF em ação direta de inconstitucionalidade nº14/1989, “na qual estão sujeitos a tal limite apenas os vencimentos, excluídas as vantagens pessoais percebidas”.
Dentre as vantagens consta o adicional de tempo de serviço, previsto na carreira docente e que, no caso do professor Mauro Baesso, soma R$ 2.665,51. Ainda compõe o salário o abono permanência, que refere-se a 11% da contribuição previdenciária que deixa de ser recolhida quando o servidor atinge o tempo de aposentadoria, mas mantém-se na ativa. Desde 2015, Baesso teve incorporado ao salário o abono de permanência, cujo valor é de R$ 2.345,64.
Somando essas duas vantagens pessoais percebidas, adicional por tempo de serviço e abono de permanência, o valor é R$ 5.011,15. Significa que o atual salário do professor Mauro Baesso não supera o teto constitucional do serviço público, que é de R$ 33,7 mil. Mesmo considerando a gratificação como reitor.
A título de informação, Mauro Baesso entrou no mercado de trabalho aos 14 anos de idade, iniciando no comércio, no Armarinhos Guinoza, e desde então contribuiu com o sistema da Previdência. São 40 anos de contribuição.
Atualmente ele é professor titular da UEM, nível mais elevado da carreira docente. É pós-doutor em Física e como pesquisador orientou várias dezenas de estudantes em todos os níveis, tem mais de 200 trabalhos publicados em periódicos estrangeiros e é detentor de uma das doze patentes que a UEM possui”.

Angelo Rigon


29 pitacos em “Vencimentos do reitor: UEM divulga nota de esclarecimento

  1. Qual o salarios do politicos analfabetos ?… Qual o salario do Tiririca ?…. Parem de enxer o saco de quem estudou e se preparou. Voltem para a escola. Tanta coisa pra ver e ficam criando picuinha. Esse governo nao tem credibilidade para criticar a UEM. Já se esqueceram do q ele fez com os professores. Todos falam q a Educação é a solucao, tem q investir em educação, mas nao querem q os professores ganhem bem… Seus hipócritas

    • pelo jeito você esta comparando professores da UEM com políticos, e nisto você tem razão, são todos iguais, ganham bem e pouco se aproveita, pois vivem somente para fazer politicagem.
      E o Tiririca que você cita tanto é menos que o LULA que vocês apoiam, só tem a quinta série e chegou a presidencia da republica por dois mandatos. Demonstra com isto que estudo neste nosso país nem sempre é a melhor solução.
      Vocês professores fazem greve todos os anos a mais de quarenta anos, e isto é uma vergonha, enquanto isto nossos alunos da rede publica pouco aprende, com isto as vantagens para passar no vestibular da UEM fica com os que tem dinheiro e estuda em escola particular ou fazem um cursinho.

      • Carlos Noel Mazia diz:

        Se não fosse a luta dos professores (greve é o último recurso, só usado após o esgotamento de todos os canais), a educação pública há muito teria deixado de existir. A educação seria apenas para os abastados. Não podemos fazer milagres. Enquanto a escola particular tem autonomia para ampliar a carga horária das disciplinas da matriz curricular básica, o professor da escola pública tem que se virar ensinando disciplinas que demandam um maior tempo de aprendizagem por parte do aluno, com apenas duas aulas semanais (Física e Química, por exemplo). Portanto, não nos meça com a sua régua, que por sinal apresenta defeito de avaliação da realidade.

        • GREVE É O ÚLTIMO RECURSO.

          Vocês já termina o ano letivo pensando na greve do próximo ano, todo ano é a mesma coisa.
          Nunca vi vocês professores lutarem pela melhoria na estrutura física do estabelecimento de ensino e da grade curricular, e muito menos se preocupar com o futuro do aluno, o aluno aprendeu aprendeu se não aprendeu dane-se.

  2. Essa encrenca toda é para os professores da UEM, UEL,..esconderem os salários milionários do contribuinte; e utilizam os alunos como bucha de canhão nessa queda de braço com o governo; autonomia universitária não é um cartão de crédito de limite infinito: só querem q o político preste conta, né? e vocês da casta dos professores universitários do estado não, né? Se vier à púbilico o valor dos salários + função gratificada + horas extras infinitas + cargo comissionados vai ter revolução!

  3. Dr Kuka Belludo diz:

    Se formos analisar com uma lupa vamos constatar que tem muito abuso……….e pude constatar que tem funcionário (agente universitário) ganhando 4 x mais que ganharia na iniciativa privada…………tipo congresso nacional onde um copeiro ganha 15 mil……e se for a fundo será que acharemos fantasmas????

  4. Bom… a briga é pelo Meta 4, e com o Meta 4 nenhum servidor vai ganhar 1 real a menos.

    O problema do Meta 4 não é transparencia ou salários, é a gestão de recursos. Os salários são pagos pelo Estado de uma maneira ou outra.

  5. A questão não é valorizar ou desvalorizar os cargos, Rigon poderia fazer uma comparação entre o orçamento do municipio de Maringá e o gasto com pessoal e o orçamento da UEM e o gasto com pessoal, só para ver a proporção?
    Principalmente, numa hora em que precisamos enxugar tudo por causa da roubalheira. Parece que tem gente que quer comparar Salários com países Ricos.

  6. PORQUE TEM ESTUDOS PODE GANHAR MUITO MAIS.? CONHEÇO TANTOS HONESTOS E TRABALHADORES QUE GANHAM SALÁRIO MÍNIMO. DEIXEM DE SER PUXA-SACOS DE QUEM ESTÁ METENDO A MÃO NOS NOSSOS BOLSOS. SÓ ESTUDAR NÃO BASTA TEM QUE SER HONESTO TAMBÉM.

  7. A regrinha básica é a segunte, vendo o extenso justificatório da área de comunicação da UEM:

    “Tudo o que tem que ae justificar demais já está fadado ao entendimento em contrário”.

    Interessante notar que os mesmos da UEM que descem a lenha no governador e sua equipe falando de altos salários, não tem a capacidade de se indignar frente a uma remuneração momesca do “Senhor” reitor, o qual diga-se, está a ganhar bem mais do que o prefeito de Maringá que administra com muita responsabilidade que lhe recai uma cidade com mais de 400 mil habitantes.

    Por até ser legal, MAS É IMORAL!

  8. COITADINHO DO REITOR, GANHA MAL E PRECISAMOS NOS JUNTAR E FAZER UMA “VAQUINHA” PARA COMPLEMENTAR O SALÁRIO DELE. COITADINHO, GANHA SÓ UM “ABONO” DE DEZ MIL E POUCO… FORA AS OUTRAS MORDOMIAS. SERÁ QUE POR ISSO QUE NÃO QUER “TRANSPARÊNCIA” NA CONTAS DA UEM? O GOVERNADOR BETO RICHA, ESTÁ CERTO EM EXIGIR O CUMPRIMENTO DA “META 4” QUE É A TRANSPARÊNCIA NAS CONTAS DA UEM.

  9. É Mauros, seria melhor ter virado jogador de futebol…
    ou cantor de funk….
    ou sertanejo UNIVERSITÁRIO…
    Do que dedicar a vida a estudar, para transmitir a futuros médicos, engenheiros,advogados……….
    Ai podia chamar o técnico de futebol de professor hehehehe e o professor de ladrão.

  10. Se o governador quer controlar.
    Por que não começar pelos seus subordinados diretos..
    Seus cargos comissionados, deputados, vereadores….
    Vocês acreditam em um POLITICO ou em um PROFESSOR?
    É melhor assim voltar os militares, pois não são ladrão…

  11. Prof. Luiz Gonzaga Macedo diz:

    Vejo com absoluta normalidade, o que não vejo com normalidade é um Secretário de Estado ou um político eleito sem nenhum titulação e contribuição para ciência ganhar e desviar o absurdo que se ganha na maioria dos casos. Só pra se ter uma ideia, o salário bruto de um professor com Mestrado em início de carreira é R$ 5.785,72 ( +45% da Titulação e dedicação exclusiva) e com Doutorado R$7.270,48 ( + 75% de Titulação e dedicação exclusiva). Ao somar e retirar os descontos do Paraná Previdência e Imposto de renda, façam as contas e vejam a realidade. Para mim, o que a sociedade deve questionar são os GASTOS E DESVBIOS dos diferentes governos e não os INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO. Não é um Professor que ganha muito e sim os desvios e altos impostos, má aplicação do dinheiro do cidadão e a ganância que não permite uma remuneração mais justa á todos e também não permite uma sociedade qualificada profissionalmente para ser melhor remunerada. Penso ainda, que a falta de ducação facilita a manipulação de opiniões, ao ponto de questionamentos desta natureza. Acorda Brasil. Fonte: http://www.dpe.uem.br/cpp/arquivos/tabela_salarial_docentes_01_2016.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>