Terminal intermodal

Placas

Em que outra cidade do planeta a chamada sociedade organizada aceitaria como normal a construtora que pertence ao sócio do prefeito vencer uma licitação de R$ 24 milhões 395 mil (recursos do governo federal) em final de mandato?
Só naquela onde moralidade pública não é prioridade e em que pouquíssimos se preocupam com o bom emprego do dinheiro público.

Angelo Rigon


11 pitacos em “Terminal intermodal

  1. Eu não concordo com essa palhaçada e sou totalmente contra a todos os corruptos que ai estão … Se realmente o povo que sai de verde e amarelo no domingão para dizer fora corrupção estivessem insatisfeitos deveriam fazer protestos contra os nossos corruptinhos municipais “só que não ” esses não vem ao caso … Bandido esse tal de ( Pupinbarros) .

  2. Eu sempre disse que precisamos ser um pouco mais “bairristas” em relação a política. Pessoal pensa muito no Brasil, na presidência e afins mas se esquecem de olhar mais perto, pros nossos próprios prefeitos e vereadores. Pensar um pouco menor pra começar a mudar, senão, não muda nada. Só minha opinião.

  3. Uma coisa é uma coisa
    Outra coisa é outra coisa
    Quando as duas coisas se encontram
    Nem sempre dá boa coisa !!

    São situações distintas… obras distintas.

    Se a empresa ganhou a licitação em Maringá, é porque não está com inidoneidade.

    A declaração de inidoneidade e a suspensão ao direito de licitar possuem natureza jurídica de sanção administrativa. Segundo Daniel Ferreira[1] a sanção administrativa é:

    “A direta e imediata conseqüência jurídica, restritiva de direitos, de caráter repressivo, a ser imposta no exercício de função administrativa, em virtude de comportamento juridicamente proibido, comissivo ou omissivo.”

    Ambas as sanções supracitadas encontram previsão normativa no Art. 87 da Lei nº 8.666/1993. A suspensão ao direito de licitar, instituída no Art. 87, III da Lei de Licitações, é uma penalidade imposta pela Administração contratante, após regular processo administrativo de apuração, ao particular que deixa de cumprir total ou parcialmente contrato administrativo de forma imotivada, cuja duração é de no máximo 2 anos.

    A declaração de inidoneidade, por sua vez, fixada no Art. 87, IV da Lei nº 8.666/1993, constitui punição mais severa do que a suspensão. Conforme se infere da leitura do dispositivo legal, a inidoneidade é sanção que não possui limitação temporal[2] e perdura enquanto permanecerem os motivos pelos quais foi aplicada. Além disso, somente poderá ser revista após realizada a reabilitação do particular perante o próprio órgão/ente administrativo sancionador, desde que transcorridos 2 anos da aplicação da sanção, bem como após o ressarcimento da Administração pelos prejuízos sofridos por conta da conduta ilícita perpetrada.

  4. Rigon
    Vc diz no texto que só é possível em lugares onde moralidade não é prioridade.
    Ora, como falar em moralidade, dado que certas cidades emitem documento com validade retroativa pra acertar a vida de candidato a vereança e o mesmo atendia em certa sala as pessoas com guias assinadas pedindo voto.

  5. se realmente existir o famoso observatorio em Maringa chegou a sua vez todos presidio contruidos poe ste empresa que o dono trabalhou em Maringa e hoje reside em Curitiba todas deram problema em senhores do famoso OBSERVATORIO abram o lho deveria começar hoje esta obra

  6. Me perdoem criticar os “deuses” do ministério público, esses seres supremos e intocáveis, mas o MP de Maringá não serve pra nada. Vossas excelências deixam muito a desejar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>