Escola doutrinadora: esclarecimento

A Secretaria de Educação de Caraguatatuba (SP), onde passo férias, informou nesta tarde, a propósito de uma postagem feita ontem neste modesto blog, que três apostilas foram distribuídas este ano aos alunos da rede: Ler e Escrever, São Paulo Faz Escola (essas duas fornecidas pelo governo estadual) e Livro Didático do Plano Nacional de Educação (distribuída pelo governo federal).
A secretaria apurou que um professor da Escola Antônia Antunes Arouca, do bairro do Massaguaçu, utilizou para avaliação de duas salas de aula, do 9º ano, textos de uma apostila, que não pertence à rede municipal de educação, sem conhecimento da secretaria e da diretoria da escola. A secretaria, acrescenta a prefeitura, já identificou o professor e instaurou um processo administrativo para apuração dos fatos.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

3 pitacos em “Escola doutrinadora: esclarecimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>