Viva o Moulin Rouge!

moulin
A prática de fazer turismo a pretexto de cumprir ritual de cargo público é tão antiga quanto a República. Aliás, as investiduras políticas, assegurada pelo voto, parece garantir o direito a essas excursões com dinheiro público. O verniz de legalidade brilha mais quando os vereadores lustram o pedido sem nenhum óbice. Vão e divirtam-se. Episódios assim se repetem com tanta naturalidade que nem deveria ser motivo de debate. Mas a indignação, felizmente, supera a aceitação, a última fase do paciente flagrado com o diagnóstico de doença grave. Essas vilanias sempre tem que nos tirar um naco de insatisfação – e lá se vão três décadas de revolta contra trens da alegria. Como jornalista, noticiei comitivas para França, Estados Unidos, Japão, Rússia, China e diversos outros países. Sempre a pretexto de fazer intercâmbio, conhecer tecnologias, estreitar relações… Nunca relatei nada de produtivo dessas andanças. Um resultado qualquer que justificasse os gastos. Minto: o falecido Toninho Fermenton, numa de suas viagens em comitiva à França para conhecer o funcionamento do Tecnopark, um daqueles projetos mirabolantes que seriam implantados em Maringá, voltou dizendo maravilhas do Moulin Rouge, o famoso cabaret. Será que a capital chilena tem algo equivalente ao inigualável bordel parisiense?
Barão do Ingá

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

2 pitacos em “Viva o Moulin Rouge!

  1. No tempo da Marumbi – e não era por causa do sanfoneiro, né Diógenes – e outras zonas, não se viajava tanto e não se jogava dinheiro do contribuinte no lixo. Nem usavam de subterfúgios como os da tecnologia do lixo, para passarem nos paraísos fiscais. Olhando os “passos” em especial o nosso, observa-se que, a zona não acabou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>