Insalubridade: contraste na UEM

A Reitoria da Universidade Estadual de Maringá, através da portaria 414/2003, de maio de 2003, suspendeu o pagamento do adicional de periculosidade dos servidores; em 2004 e 2005, o Sinteemar ingressou com nada menos que 50 ações judiciais pleiteando esse direito. O Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá continua recebendo servidores para novas ações, uma vez que o conflito ainda não foi resolvido. Interessante observar é que as decisões favoráveis têm sido fundamentadas em perícias técnicas, que mostram as condições dos locais de trabalho. Essa situação, no entanto, parece contrastar com os fundamentos técnicos das autorizações emitidas pelo Instituto Ambiental do Paraná para o funcionamento dos laboratórios daquela instituição.

Angelo Rigon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>