Psicologia do poker online: entenda como as emoções podem influenciar na performance do jogador

Inteligência emocional é indispensável para vencer no poker online, mas poucos jogadores sabem como “treinar” essa habilidade
Ter sucesso no poker não depende apenas de estratégias matemáticas, mas também do equilíbrio entre razão e emoção. Afinal, o jogo acaba despertando sentimentos como raiva, desespero, frustração, receio e orgulho, exigindo do jogador uma sólida “inteligência emocional” para sair vencedor.

Mas não se engane: ter inteligência emocional no poker online não significa desligar-se completamente de suas emoções. Na verdade, trata-se de saber reconhecê-las e não permitir que elas controlem suas decisões nem dificultem seu raciocínio. Um jogador com alta inteligência emocional consegue também identificar suas forças e fraquezas de forma realista, além de expandir sua capacidade de “ler” as emoções dos oponentes.

Image result for poker online

 

Para que você entenda um pouco mais sobre o assunto, vamos exemplificar algumas situações corriqueiras no poker que têm relação direta com o seu grau de inteligência emocional:

Situação A:

Já faz algumas horas que você está jogando poker e as coisas não estão saindo como o esperado. Você fez muitos rebuys, não construiu nenhum grande stack, e devido às más decisões acabou sendo eliminado do torneio.  Já é tarde da noite e você sente sua mente exausta, mas o seu orgulho não aceita a derrota e te leva para um cash game. É aí que você começa a triplicar seus prejuízos.

Esse é um exemplo de quem possui pouca ou nenhuma inteligência emocional no jogo de poker online. Para aqueles que conseguem manter a cabeça fria diante de uma derrota, o mais correto seria desligar o computador, ir dormir e só retornar no dia seguinte ou depois de alguns dias.  Sem dúvidas, essa seria a atitude mais sensata para evitar o excesso de perdas.
Situação B:

Você está jogando contra um adversário que tem estratégias muito fracas. Ele toma as piores decisões e ainda assim você não está levando todo o dinheiro. Parece que a sorte está ao lado dele, pois mesmo jogando mal, ele ganha quase todos os potes.

Diante dessa “ironia do poker” vem uma onda de nervosismo e, em vez de jogar de maneira racional, pensando apenas nos ganhos, você projeta uma espécie de vingança e continua jogando para fazer seu oponente pagar caro.

Novamente, essa é uma típica atitude de quem não possui equilíbrio emocional. Deixar-se levar por sentimentos de vingança é sempre prejudicial não só para o seu bankroll, mas também para sua performance, já que os sentimentos negativos “embaçam” sua razão e te impedem de tomar decisões inteligentes.

Situação C

Você não pretendia jogar poker, afinal havia diversas coisas para fazer em casa e compromissos que não deveriam ser adiados. No entanto, alguma coisa acabou te empurrando para o jogo. Você até considerou fazer outras coisas, mas um impulso inconsciente o fez ligar o computador para jogar poker online.

Permitir que o poker comprometa sua vida pessoal e social, é um grave sinal de que você está deixando o jogo te controlar. Jogadores com inteligência emocional sabem que é necessário ter momentos de “vida normal” que incluem trabalho, lazer e ocasiões sociais, afinal o poker é apenas um jogo e jamais deve ser a coisa mais importante da sua vida.

Se você já passou por situações similares aos exemplos acima, é hora de começar a desenvolver sua inteligência emocional no poker. Pare e pense sobre os sentimentos que te impedem de manter a ponderação durante o jogo e a sensatez nas decisões. Pense também em quantas vezes você ficou tempo demais jogando ou continuou jogando mal mesmo sabendo que a melhor opção era parar.

Depois de refletir sobre essas situações, comece a ‘treinar’ seus sentimentos em cada sessão de poker online.  Busque analisar também suas decisões, de modo a perceber em quais circunstâncias você se torna mais “reativo” e perde a clareza de raciocínio. Com foco e prática, você conseguirá melhorar os aspectos emocionais do seu jogo e, consequentemente, sua capacidade estratégica.

Compartilhe