Bruce, Brenda, David. A história da criança que teve seu pênis queimado

A história é mais ou menos assim. Um menino perdeu o pênis recém-nascido, daí virou menina, descobriu tudo e voltou a ser menino. No final de tudo se matou. Esse é a história de David Reimer

Bruce e Brian Reimer são gêmeos nascidos em 22 de agosto de 1965 em Winnipeg no Canadá. Os dois nasceram sem problema algum. Porém, a mãe, Janet Ron, notou, tempos depois, que ambos tinham dificuldade de urinar.

Os meninos foram levados a um hospital para serem circuncidados. E foi nesse dia que todo o problema começou. No processo, os médicos decidiram usar uma agulha cauterizadora em vez de um bisturi. E o equipamento deu problema. Uma corrente elétrica exagerada queimou completamente o pênis de Bruce. O procedimento de Brian foi cancelado e os gêmeos voltaram pra casa.

Sem saber o que fazer, os pais de Bruce começaram a buscar soluções e encontraram um psicólogo. John Money era especializado em mudança de sexo e acreditava que é a maneira que somos criados que determina se seremos homens ou mulheres.

Assim, Janet escreveu para John e partiu para Baltimore, nos Estados Unidos, e foi ao encontro do psicólogo.

John se interessou pelo caso, pois via em Bruce a experiência ideal em provar sua teoria. E ainda poderia comparar o comportamento do menino com seu irmão gêmeo. Caso desse certo o experimento, John poderia concretizar a ideia de que a criação sobrepõe a biologia. E o psicólogo acreditava piamente que Bruce seria mais feliz como uma mulher do que com um homem sem pênis.

Foi então que Bruce se transformou em Brenda, aos 17 meses de idade. Quando tinha quatro meses de idade, o primeiro passo cirúrgico para a mudança foi tomado, a castração.

John sempre pedia que, para que o experimento desse certo e Bruce de fato virasse Brenda, os pais nunca poderiam revelar sua real identidade ou a história de seu nascimento.

E então, os pais de Bruce passaram a criá-lo como uma menina e visitavam o psicólogo regularmente para acompanhar o desenvolvimento da menina, no caso que ficou conhecido como John/Joan.

Entre os gêmeos, a menina era bem mais arrumada que o irmão e não gostava de ficar suja, afirmou a mãe em uma das consultas registradas por John Money. Em outro registou, John disse que “a menina tinha traços de menina moleque e muita energia, além de muita teimosia e alto nível de atividade. Ela também era a figura dominante entre as meninas de seu grupo”.

Quando os gêmeos tinha 9 anos, o psicólogo publicou um artigo contando a experiência que, segundo ele, tinha sido um sucesso. “Ninguém mais sabe que ela é a menina que esteve no noticiário tempos atrás”. John ainda continuou dizendo que o comportamento dela era bem diferente do irmão e que assim, não há conjecturas.

Quando Brenda chegou à adolescência, alguns problemas começaram a aparecer.

A mãe de Brenda/Bruce contou que via que ela não era feliz como menina. Janet via que ela era muito rebelde, masculina e a mãe não conseguia convencê-la a fazer nada feminino. “Brenda quase não tinha amigos. Todos a chamavam de mulher das cavernas”, disse a mãe.

Devido a toda essa tristeza de Brenda, os pais interromperam as consultas e fizeram aquilo que John Money havia proibido: contar toda a verdade sobre ela ter nascido menino.

Assim, Brenda decidiu se transformar em David. Fez uma cirurgia para reconstrução do pênis, se casou e se tornou padastro dos filhos de sua esposa.

O que David não esperava, aliás, não sabia, é que seu caso estava registrado e assim, imortalizado. A teoria de Money estava sendo implantada em outros pacientes porque muitos acreditavam no sucesso do experimento.

David chegou aos 30 anos sofrendo de depressão. Perdeu a mulher e o emprego. Se viu abandonado por todos.

Seu irmão morreu de overdose de medicamentos.

david reimer

E, em 2004, David, Bruce, Brenda cometeu suicídio.

Mesmo assim, experiências como essa continuam existindo. E são bem sucedidas segundo médicos.

 

Fonte: BBC

Compartilhe
  • André

    psicólogos não sabem de nada

  • Capitão Hipster

    faltou injetar hormonios femininos, conhecimento que eles não possuiam na época.